Priscila Krause revela os motivos da crise da Farmácia básica do Estado

Coluna Fogo Cruzado – 30 de abril de 2019

1- Usando como fonte de consulta o “Portal da Transparência”, a deputada Priscila Krause (DEM) levou ao conhecimento da Assembleia Legislativa de Pernambuco, nesta segunda-feira (29), a causa da crise em que se encontra a Farmácia do Estado, que distribui (ou pelo menos deveria distribuir) medicamentos gratuitos para portadores de doenças crônicas que não dispõem de recursos para adquiri-los.

2- A causa, segundo a deputada, é aquela que já se sabia: falta de recursos. Ela constatou que em 2018 o Governo do Estado reduziu em 96,5% – comparando com o ano anterior– os gastos com recursos próprios para a “Aquisição de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos Excepcionais e Especiais”.

3- Só de “restos a pagar” referentes a compras iniciadas em 2016, o governo estadual deve a fornecedores R$ 70,4 milhões.

4- Em 2017 foram pagos a fornecedores R$ 69,7 milhões referentes à compra de remédios excepcionais e especiais (que não incluem os medicamentos vinculados à atenção básica), dos quais R$ 25,7 milhões foram repassados pelo governo federal e R$ 43,9 milhões saíram dos cofres do Governo do Estado.

5- Em 2018, segundo a deputada, o gasto caiu para R$ 15,9 milhões – R$ 14,4 milhões transferidos por convênios do Sistema Único de Saúde (SUS) e R$ 1,5 milhão da gestão estadual.

6- Significa que no ano passado, apenas R$ 1,5 milhão foram gastos com a farmácia básica, ante R$ 43 milhões em 2017.

7- “É um corte desumano num Estado que tem um orçamento superior a R$ 30 bilhões”, comentou a deputada.

8- Este ano, pelos cálculos dela, foram pagos R$ 19,7 milhões de medicamentos comprados nos anos anteriores e R$ 3,6 milhões referentes a compras novas, realizadas no atual exercício.

9- “A questão dos restos a pagar é uma bola de neve, que tem inviabilizado a continuidade das entregas”, disse a deputada.

10- Atualmente, as três maiores dívidas são com os Laboratórios Novartis (R$ 12 milhões), Roche (R$ 11 milhões) e Majela Medicamentos Ltda. (R$ 7,5 milhões).

11- A Lei Orçamentária do Governo de Pernambuco prevê que para esta ação, 80% dos recursos seriam originados do tesouro estadual e 20% do Ministério da Saúde.

12- Esclarecido o problema, cabe agora ao Governo do Estado assumir sua responsabilidade e não ficar botando a culpa nas licitações, nas concorrências “desertas” e nas transportadoras que não teriam entregue os medicamentos no prazo previsto.

13- Há que se contar a verdade para a população. Ou seja, de fato, está faltando medicamentos na Farmácia do Estado, porque não temos dinheiro para comprar todos os itens de que a população precisa.

14- É muito mais bonito e muito mais honesto. Até porque, como diz o dito popular, “a verdade sempre aparece”.

É isso aí.

VICE DIZ QUE VIRÁ EM MAIO, MAS NÃO MARCA A DATA

“Capa” da revista “Veja” desta semana, o vice-presidente Hamilton Mourão informou ao deputado Marco Aurélio (PRTB) que virá ao Recife agora em maio para receber o título de cidadão que lhe foi outorgado pela Câmara Municipal. Mourão está sendo acusado pelos filhos de Bolsonaro de conspirar contra o pai, o que é uma grande mentira, e disse à revista que se o presidente quiser, ele renunciará ao mandato e vai para casa. A intriga foi criada pelo vereador Carlos Bolsonaro, com total e absoluto apoio do pai, que em nenhum momento desautorizou as críticas do filho ao vice-presidente, homem afável, correto e leal.

ONILDO ALMEIDA VAI GANHAR BIOGRAFIA

O cantor e compositor Onildo Almeida, de 90 anos, autor do clássico “A feira de Caruaru” gravada por Luiz Gonzaga em 1957, e depois por outros artistas, vai ter sua vida contada em livro. O autor será o jornalista Fernandino Neto, que já publicou as biografias da atriz Prazeres Barbosa e do ex-prefeito Anastácio Rodrigues. Onildo foi um dos primeiros contratados pela Rádio Difusora de Caruaru na época em que as emissoras tinham o seu próprio quadro de artistas. Depois se tornou proprietário da Rádio Cultura do Nordeste.

FACA NOS PEITOS DO PSB

De olho na sucessão do prefeito de Paulista, Júnior Matuto (PSB), o vereador e presidente da Câmara Municipal, Fábio Barros (PSB), deu este ultimato ao seu partido: se não o quiser como candidato, ele tem à sua disposição o PDT e o PCdoB. Já o ex-vice-prefeito Nena Cabral sonha em juntar um punhado de líderes da oposição para colocar seu nome à disposição. Consta que o prefeito Júnior Matuto já escolheu o seu candidato, que não será Fábio Barros, mas só vai colocar o nome nas ruas no próximo ano.

UNIÃO POR OLINDA

Presidente do PSL de Olinda, o ex-prefeito José Arnaldo Amaral fez uma visita protocolar ao presidente da Câmara, vereador Jorge Federal (PR). Os dois combinaram marchar juntos nas eleições do próximo ano. O que os une é a oposição que fazem ao ex-prefeito Renildo Calheiros (PCdoB), atual deputado federal, e ao atual prefeito Lupércio Nascimento. “Olinda está acima de tudo e deve ser o fator de união das forças que desejam tirá-la da situação de abandono e falta de planejamento em que se encontra,” declarou José Arnaldo.

BOLSONARO CAI EM TODAS AS SONDAGENS

A diretora-executiva do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, após analisar os dados de quatro pesquisas mensais feitas até agora, concluiu que a avaliação positiva do governo de Jair Bolsonaro caiu em todas as sondagens. As taxas de “ótimo e bom” caíram de janeiro a março, mas ficou estável no mês de abril. A quedas mais brusca se deu entre os nordestinos (apenas 25% deles avaliam positivamente o atual governo) e entre os eleitores de baixa escolaridade e de baixa renda.

VOTO DE CONFIANÇA

De acordo com Márcia Cavallari, logo depois da posse Bolsonaro chegou a ganhar um voto de confiança de vastos setores que votaram em Fernando Haddad (PT) na eleição presidencial, a exemplo dos mais pobres e dos nordestinos que deram cerca de 70% ao candidato petista. No entanto, diz ela, “nesses segmentos a identificação com Bolsonaro é mais frágil. A partir do momento em que o governo passa pelos primeiros desgastes, essa população manifesta seu descontentamento de forma mais rápida”.

MUDANDO DE OPINIÃO

Ainda segundo o Ibope Inteligência, no Nordeste, de cada 10 eleitores que consideravam o governo Bolsonaro “bom ou ótimo”, quatro já mudaram de ideia. No Sudeste e no Sul, essa mudança também se observa, mas com menor intensidade: três e dois de cada dez eleitores, respectivamente, não aprovam mais o atual governo. Já que os eleitores mais pobres, que ganham até dois salários mínimos, que aprovavam o governo em janeiro deste ano, um terço já mudou de opinião.

DESAPROVAÇÃO NAS CAPITAIS

Bolsonaro também teve aumento na sua taxa de reprovação nas capitais. Em janeiro, segundo o Ibope Inteligência, as taxas de satisfação com o governo nas capitais e no interior eram praticamente as mesmas: 47% e 51%, respectivamente. Em abril, caíram para 30% e 37%, respectivamente. Na média nacional, a avaliação positiva do presidente caiu 14 pontos porcentuais desde o início do governo – de 49% para 35%. No Recife, governada pelo prefeito Geraldo Júlio (PSB), Bolsonaro perdeu feio para o candidato do PT.

ONDE ANDA PEDRO CORRÊA?

Procuradores da “Operação Lava-Jato” pediram informações à juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, sobre o paradeiro do ex-deputado Pedro Corrêa Neto (PP-PE), que informou à Justiça a necessidade de submeter-se a uma cirurgia bariátrica (redução de estômago), mas depois silenciou. O Ministério Público Federal deseja saber se a cirurgia foi feita e ele pode ser monitorado por tornozeleira eletrônica. Corrêa foi condenado nos processos do mensalão e da Lava-Jato. Mas, por questões de saúde, cumpre pena no Recife, em regime domiciliar.

DEM DECLARA APOIO A DÓRIA PARA 2022

O DEM parece não estar satisfeito com o governo Bolsonaro, apesar de controlar a Câmara Federal e o Senado, e os Ministérios da Casa Civil, da Agricultura e da Saúde. É que o partido realizou sua convenção em São Paulo, no último final de semana, e declarou apoio à reeleição do prefeito Bruno Covas (PSDB) em 2020 e do governador João Doria (PSDB) para presidente da República em 2022. O presidente regional do partido é o vice-governador Rodrigo Garcia. Em Pernambuco, o ex-deputado Mendonça Filho segue na presidência do partido.

CÓDIGO BRAILLE

O Senado aprovou hoje (29) em caráter terminativo projeto de autoria do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) que obriga os bancos a adotarem o código braille nos contratos firmados com deficientes visuais. O projeto será analisado, agora, pela Câmara dos Deputados. Segundo o senador, o projeto quebra uma “significativa barreira de comunicação”, permitindo aos deficientes visuais acesso efetivo às informações necessárias para o pleno exercício de sua cidadania.

FESTA DA DIVINA MISERICÓRDIA

Como sempre fez em anos anteriores, o governador Paulo Câmara participou no último domingo (28), no distrito de Serra das Varas, em Arcoverde, da 15ª edição da Festa da Divina Misericórdia. O governador viajou em companhia da viúva Renata Campos, do deputado federal João Campos (PSB) e de um pequeno número de assessores e lá foi recebido pela prefeita Madalena Brito (PSB) pelo o padre Adilson Simões, que celebrou a missa no local.

RODRIGO INCORPORA ITAÍBA À SUA CARTEIRA ELEITORAL

O deputado e secretário estadual do Turismo, Rodrigo Novaes (PSD), agregou a prefeita de Itaíba, Regina Cunha (PTB), que era ligada ao ex-senador Armando Monteiro (PTB), ao seu grupo político. O secretário esteve lá, no último final de semana, para participar das comemorações dos 57 anos de emancipação política do município. O federal da prefeita continua sendo Ricardo Teobaldo (PODE).

BOLSONARO DESAUTORIZA SECRETÁRIO DA RECEITA

Pelas redes sociais, o presidente Bolsonaro desautorizou hoje (29) pela segunda vez o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, que numa entrevista à Folha de São Paulo admitiu que a contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento das empresas será substituída por um novo tributo que incidiria também sobre as igrejas. Visivelmente contrariado, Bolsonaro gravou um vídeo dizendo o seguinte: “Essa informação não procede. Em nosso governo, nenhum novo imposto será criado, em especial contra as igrejas que, além de terem um excelente trabalho social prestado a toda comunidade, reclamam eles, em parte com razão, no meu entendimento, que há uma bitributação nessa área”. Cintra não foi escolhido pelo presidente e sim pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Mas, se tivesse amor próprio, teria pedido exoneração hoje mesmo.