Previdência injusta e insustentável, diz Rolim

Coluna Fogo Cruzado – 15 de maio de 2019

Leonardo Rolim, secretário de previdência do Ministério da Economia, declarou anteontem na Assembleia Legislativa que o sistema previdenciário brasileiro é o mais “injusto e insustentável” do mundo. Cerca de 15% dos aposentados ficam com quase 50% da receita previdenciária, ao passo que 60% dos inativos do INSS recebem apenas um salário mínimo, disse ele. De fato, não é preciso ser expert no assunto para concluir que nosso modelo de previdência está esgotado e necessitando de reformulação. Nada obstante, o PSB que, em tese, é um partido socialista e declara ter compromisso com os mais pobres, é contra o projeto de reforma enviado ao Congresso pelo presidente da República. “Afronta os princípios programáticos do partido e ataca o sistema de seguridade social”, diz resolução do diretório nacional aprovada em abril. O danado é que em matéria previdenciária a situação dos três estados administrados pelo partido – Pernambuco, Paraíba e Espírito Santo – é exatamente igual à da União. Ou seja, se não reformarem urgentemente os seus sistemas previdenciários, eles entrarão em colapso daqui a três ou quatro anos. Aí, seria o cúmulo da contradição ver o PSB a favor da reforma do governador Paulo Câmara e contra a reforma do presidente Jair Bolsonaro.       

Pacote de obras

Recife, “capital do Nordeste”, segundo a propaganda de Geraldo Júlio (PSB), tem mais ou menos as mesmas dimensões de Fortaleza e de Salvador. Por esse motivo, o que o prefeito de uma faz é monitorado pelos outros dois. O de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), no intuito de “fazer a diferença”, promete lançar no final do mês um “pacote de obras” no valor de R$ 1,2 bilhão.   

Ao pastor Isaac

O governador Paulo Câmara inaugurou anteontem em Abreu e Lima a Praça Pastor Isaac Martins. O pastor, da Assembleia de Deus, era um mito na cidade, que tem a maior concentração de evangélicos de Pernambuco em termos proporcionais. Sua força política era tanto que na década de 90 elegeu um deputado federal: Salatiel Carvalho. 

Grupo de trabalho

Há uma máxima na política que diz o seguinte: “Quando você não quiser resolver um problema, crie um grupo de trabalho”. Foi o que fez o governo federal para debater o “novo pacto federativo” proposto pelo deputado Sílvio Costa Filho (PRB). O grupo tem  representantes do Planalto, Câmara, Senado, Ministério da Economia e  Confederação Nacional de Municípios.

Porta voz do governo

Em nome da Comissão Especial da Reforma da Previdência, da qual é vice-presidente, Sílvio Costa Filho anunciou na sede da Amupe que as regras da aposentadoria rural e o Benefício de Prestação Continuada não serão alterados pela reforma previdenciária. A garantia já teria sido dada aos congressistas pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

Dívida assombrosa

Vereadores da oposição ao prefeito Hélio dos Terrenos (PTB) começam a se preocupar com as finanças de Belo Jardim. Alegam que na gestão do prefeito João Mendonça (PSD) a dívida do município era de apenas R$ 230 mil. Hoje, estaria na casa dos R$ 34 milhões. Belo Jardim abriga a fábrica de baterias Moura e o abatedouro da Nato.

Vice, nem pensar!

Deputado Tony Gel (MDB) já admite em Caruaru, abertamente, que a maioria do seu grupo político não se opõe a uma aliança dele com o ex-prefeito José Queiroz (PDT) para as eleições de 2020. Ambos já trocaram muitas farpas. Mas, hoje, não têm mais idade para continuar inimigos. A única coisa que Tony reivindica é a cabeça de chapa.

Decisão esperada

A decisão da Sexta Turma do STJ no sentido de pôr o ex-presidente Michel Temer em liberdade já era esperada pelos grandes criminalistas do país. O STJ entendeu que a decretação da prisão preventiva dele foi ilegal porque não seguiu os requisitos que a lei prevê. E, o que é mais importante, que “delação premiada” para não pode ser tida como prova contra ninguém – seja rico ou pobre, preto ou brabo, influente ou não influente.