Pernambuco no caminho do retrocesso desde o final do governo Dilma Rousseff

Coluna Fogo Cruzado – 29 de abril

  1. Pernambuco foi um dos Estados mais penalizados do Brasil após o desgoverno de Dilma Rousseff. Avançou a passos largos nos 8 anos de governo do presidente Lula, sobretudo no período em que Eduardo Campos se encontrava no Palácio do Campos das Princesas.
  2. Eduardo soube tirar proveito de sua amizade pessoal com o ex-presidente e de sua aliança política com o PT. Durante o seu governo vieram para Pernambuco grandes investimentos como a refinaria da Petrobrás, os estaleiros de Suape, a Fiat/Jeep em Goiana, etc.
  3. Esses empreendimentos foram geradores de milhares de postos de trabalho tanto na região da Mata Sul como também no Litoral Norte.
  4. Passados cinco anos daquele “boom” desenvolvimentista, o Estado pegou o caminho da volta, coincidindo, infelizmente, com a maior recessão da nossa história, que nos foi legada por Dilma Rousseff, além de 10 milhões de desempregados em decorrência da crise econômica.
  5. Hoje, o desemprego campeia na região da Mata Sul. Na época das “vacas gordas”, cerca de mil ônibus entravam em Suape, diariamente, transportando trabalhadores que eram vinculados às indústrias de lá. Hoje, não mais do que 50 fazem aquele percurso. Perderem seus empregos cerca de 80 mil trabalhadores.
  6. O Estado, que chegou a investir R$ 4 bilhões em sua economia no penúltimo ano do governo de Eduardo Campos, investiu em 2018 menos de R$ 1 bilhão.
  7. Um dos responsáveis por essa queda de investimentos foi a “Operação Lava Jato”, que não se contentou apenas em pedir a prisão de gestores públicos e privados ímprobos. Queria também, e de certa forma conseguiu, quebrar os braços e as pernas das construtoras que ofereceram propina em troca de obras.
  8. Por isso, o procurador Deltan Dalagnoll anda rindo à toa por ter encontrado na Justiça Federal de Curitiba acolhida total às suas denúncias.
  9. Não se trata, aqui, de ser contra o combate à corrupção, muito pelo contrário. Ela tem que ser combatida com mão de ferro em qualquer lugar em que se encontre, sejam quais forem os responsáveis. Mas o doutor Deltan queria mais que o encarceramento dos corruptos e de aparentemente obteve êxito.
  10. Em decorrência desta “Operação”, a Petrobras paralisou os investimentos que fazia no Complexo de Suape (gerando milhares de desempregos) e anunciou na última sexta-feira que pretende desfazer-se da Refinaria Abreu e Lima.
  11. Engraçado. O Sindicado dos Engenheiros da Petrobrás produziu um documento datado de 1980 dizendo ser necessária a instalação de novas refinarias no Brasil, especialmente no Nordeste, onde havia apenas uma no Estado da Bahia, para dar conta da demanda.
  12. Pernambuco foi o Estado escolhido para receber este empreendimento, graças a Lula, a Eduardo Campos e também aos líderes da Oposição que se empenharam nesta luta – Marco Maciel, Roberto Magalhães, Jarbas Vasconcelos, Joaquim Francisco, Gustavo Krause, etc.
  13. Agora, 4º mês do governo Bolsonaro, em que situação nos encontramos? Devendo mais de R$ 2 bilhões a fornecedores, com um déficit anual de R$ 2,7 bilhões na folha dos aposentados e pensionistas, a 4ª maior taxa de desemprego do Brasil e um dos maiores índices de homicídios. E sem canal algum com o governo federal.
  14. Para completar o cenário de notícias ruins, o JC deste domingo (27) divulgou que o maior parceiro comercial de Pernambuco, que é a Argentina, reduziu consideravelmente a importação de bens produzidos em nosso Estado.  Exportamos para terra do Papa Francisco, do cantor Carlos Gardel, do mito Evita Perón e do gênio Maradona R$ 608 milhões em 2018 (automóveis, óleos combustíveis, baterias, etc).
  15. No primeiro trimestre deste ano, as exportações caíram 83% em relação ao mesmo período do ano anterior. De acordo ainda com o jornal, o pólo automotivo de Goiana chegou a paralisar a produção de veículos por três dias, no mês de outubro de 2018, em virtude da queda de exportação para a Argentina.
  16. Estamos, portanto, atravessando um preocupante “período de turbulência” do ponto de vista de nossa economia. Mas, apesar desse quadro nebuloso, a direção nacional do PSB – partido do qual o governador Paulo Câmara é vice-presidente – fechou questão contra a reforma da previdência. Quer uma reforma que não reforme nada. Dá para entender?

É isso aí.

IMPACTOS DA REFORMA

Lideranças políticas e sindicais foram convidadas para um seminário que se realizará nesta segunda-feira (29), na Assembleia Legislativa, sobre “Os impactos da reforma da previdência”. O palestrante será o economista Eduardo Moreira, para quem não há déficit na previdência e sim má gestão. Ele vai repetir o que a presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, tem dito por aí afora: que a reforma proposta pelo presidente Bolsonaro tira recursos dos mais pobres e preserva os privilégios dos mais ricos, o que é uma grande mentira.

COMISSÃO ESPECIAL

O seminário será a segunda ação da Comissão Especial da Reforma da Previdência, da Assembleia Legislativa, instalada no dia 13 de março deste ano com prazo de 90 dias para apresentar suas conclusões. O Colegiado, presidido pelo deputado Doriel Barros (PT), já ouviu entidades representativas dos trabalhadores e pretende promover ainda uma audiência pública sobre o tema. Participam também desta comissão os deputados Teresa Leitão (PT), João Paulo (PCdoB), Isaltino Nascimento (PSB) e Rogério Leão (PR).

SEM RESPONSABILIDADE

Do senador Humberto Costa (PT) após visita aos municípios de Caetés e Águas Belas, na última sexta-feira (26), ao lado do governador Paulo Câmara: “Pernambuco não elegeu Bolsonaro. Essa culpa nós não carregamos, mas estamos sofrendo as consequências com os desmontes propostos por esse governo. Esse esfacelamento das políticas públicas ameaça o povo trabalhador e o povo mais pobre de Pernambuco. É por isso que precisamos de união e, acima de tudo, de convicção, para cobrar dos senadores e dos deputados que eles permaneçam do lado do povo” . 

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Audiência pública que se realizou neste sábado (27), em Afrânio (a 780 km do Recife) para debater a reforma previdenciária, contou com a participação do deputado federal Fernando Monteiro (PP-PE). Em tese, ele é a favor da reforma, mas entende que ela precisa de mais debate por parte da sociedade brasileira. O prefeito Rafael Cavalcanti (MDB) e o deputado federal Carlos Veras (PT) também participaram das discussões.

GOVERNADORES EM PROL DA REFORMA

Neste sábado (27), governadores de 7 Estados do Sul e do Sudeste reuniram-se no Palácio dos Bandeirantes, em SP, para debater a reforma da previdência. À exceção de Renato Casagrande (ES), que segue a linha do seu partido, todos os outros estão de acordo com o texto enviado ao Congresso pelo presidente da República. São eles João Doria (São Paulo), Romeu Zema (Minas Gerais), Carlos Moisés (Santa Catarina), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), o vice do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, e o vice do Paraná, Darci Piana. Juntos, esses Estados respondem por 70% da economia do país.

AS QUATRO RESTRIÇÕES

Do governador Renato Casagrande (PSB-ES) sobre sua posição a respeito da reforma previdenciária: “Sou favorável, mas manifesto minha contrariedade em relação a quatro pontos – alteração do beneficio da prestação continuada, alteração das regras da aposentadoria rural, a desconstitucionalização de matérias da previdência, que coloca em risco as conquistas das últimas décadas, e o modelo de capitalização”.

MELHOR SER MALUCO DO QUE CACHACEIRO

Do presidente Jair Bolsonaro, neste sábado (28), sobre o ex-presidente Lula ter dito que o Brasil está sendo governado por um “bando de malucos”: “pelo menos não é um bando de cachaceiros”. Bolsonaro criticou também a decisão do ministro Dias Toffoli de autorizar a entrevista aos jornais “El País” e “Folha de São Paulo”. “Presidiário tem que cumprir sua pena”, disse o atual presidente.

RETIRADA DE PROPAGANDA

Do presidente Jair Bolsonaro ao ver na televisão e se irritar com uma propaganda do Banco do Brasil, nas televisões, incentivando jovens de várias naturezas a abrirem conta na instituição: “Quem indica e nomeia o presidente do Banco do Brasil, não sou eu? Não precisa falar mais nada, então. A linha mudou. A massa quer o quê? Respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. Mas nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira”. A propaganda já saiu do ar e o diretor de marketing do BB, Delano Valentim, pediu demissão.

AINDA NO PROJETO

O ex-deputado Ricardo Costa (PP), que não renovou o mandato em 2018, assumiu a Superintendência de Comunicação da Assembleia Legislativa mas não arquivou o projeto de, um dia, ser prefeito de Olinda, que foi representada por ele, com muita dedicação, na Casa de Joaquim Nabuco. Costa, que é empresário, tem negócios em Olinda, Gravatá e Flores, mas não abandonou a vida pública. Espera, mais adiante, ser convocado pelo povo de Olinda para assumir a prefeitura. E, pelo amor que tem pela cidade, seria um grande prefeito.

CONVOCAÇÃO AO VICE

O deputado e presidente regional do MDB, Raul Henry, esteve em São Bento do Una, neste final de semana, para convidar o vice-prefeito Alexandre Batité (MDB) a disputar a prefeitura nas eleições do próximo ano. A prefeita Débora Pereira (PSB) não o apoiará porque pretende lançar um candidato do seu grupo político.

FORA  DA VIDA PÚBLICA

O ex-deputado Augusto César (PTB) está totalmente decidido a não retornar à vida pública após ter sido prefeito de Serra Talhada pelo PDT e deputado estadual em cinco legislaturas. Ele não renovou o mandato em 2018, mas já havia dito aos seus conterrâneos que aquela seria sua última eleição. Exerceu com dignidade todos os cargos públicos que ocupou, e agora está dedicado integralmente à sua vida empresarial (laboratórios de análises clínicas e farmácias de manipulação). Sua voz fará falta a Serra Talhada e ao Partido Trabalhista Brasileiro.

UNIÃO DOS CONTRÁRIOS

Do deputado Diogo Moraes (PSB) sobre a sucessão do prefeito Édson Vieira (PSDB) em Santa Cruz do Capibaribe: “Tenho a impressão de que, eu e (o ex-prefeito) José Augusto Maia (Avante), juntos, elegeremos o próximo prefeito. Não temos candidato, ainda. Quanto estiver mais próximo da eleição, vamos reunir os nossos grupos para escolher os candidatos a prefeito e a vice. O atual prefeito está bastante desgastado e certamente não fará o sucessor”. Diogo não pretende ser candidato e apoiará qualquer nome que tiver o apoio dele e do ex-prefeito José Augusto, pai do atual presidente da Câmara, Augusto Maia (Avante).