Pedro Eurico culpa a Petrobrás pela falta de gás de cozinha em Pernambuco

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, culpou hoje (12) a Petrobrás pela falta de gás de cozinha em Pernambuco, apesar de a greve dos caminhoneiros ter-se encerrado há 15 dias.

Ele notificou a estatal pedindo mais celeridade no atendimento às companhias distribuidoras do produto no Estado, dando-lhe prazo de 72 horas para resolver o problema.

É que representantes de distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) em Pernambuco afirmam não estar conseguindo regularizar o atendimento à população devido à “inoperância e desinteresse” da Petrobrás no sentido de atender à população.

De acordo com dados das companhias, 71.104 mil botijões de gás ficaram parados, por dia, durante a greve dos caminhoneiros, totalizando uma demanda reprimida de 639 mil unidades produtos só naquele período.

“A Petrobrás não está dando atenção nem ao Governo de Pernambuco, nem ao Ministério Público, nem tampouco à população. Hoje há excedente de gás no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Sendo assim, por que a estatal não se mobiliza para trazer esse excedente para o Nordeste?”, questionou o secretário.

Para minimizar a dificuldade para a regularização do abastecimento de gás de cozinha em Pernambuco, o Procon emitiu uma recomendação nesta terça-feira às revendedoras do produto.

O documento sugere que os estabelecimentos se limitem a vender apenas um bujão de 13 quilos, por pessoa, no valor médio de R$ 65,00 que foi o estipulado pela Agência Nacional do Petróleo.