Líder da oposição critica a situação fiscal de Pernambuco

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado Sílvio Costa Filho (PRB), criticou nesta quinta-feira (9) a situação fiscal do Estado de Pernambuco dizendo que apenas no primeiro semestre deste ano o atual governo já acumula uma dívida de mais de R$ 1,2 bilhão com seus fornecedores.

Desse montante, disse ele, R$ 478 milhões referem a “restos a pagar” de exercícios anteriores e os R$ 722 milhões restantes dizem respeito a dívidas já liquidadas este ano, mas ainda não quitadas.

“Paulo Câmara recebeu o governo com 376 mil de restos a pagar e fechou seu primeiro ano rolando R$ 1,03 bilhão de 2015 para 2016. De 2016 para 2017, foram R$ 1,21 bilhão e do ano passado para este foram deixados R$ 1,46 milhões em dívidas”, disse o parlamentar.

Segundo ele, o Estado ocupa, atualmente, a terceira pior colocação do país quando são consideradas em conjunto as despesas com pessoal, endividamento e investimentos, à frente apenas de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, estados que tem um histórico de crise fiscal.

Pernambuco, disse ele, gasta 48,9% da sua Receita Corrente Líquida com a folha, 17% com o pagamento da dívida e investe apenas 5,32% de sua receita.

“Por isso, Pernambuco ficou classificado como o Estado com 22ª pior situação fiscal do país, dentre os entes analisados, e o pior do Nordeste. Apenas dois Estados obtiveram posições médias ainda piores: Rio Grande do Sul Minas Gerais (21,25).