João da Costa defende união dos partidos de esquerda

O vereador e ex-prefeito do Recife, João da Costa (PT), defendeu hoje (18) a união dos partidos de esquerda e dos movimentos sociais para construir uma alternativa para o Brasil e defender os interesses dos trabalhadores.

“Estamos há cinco dias com o ministro Gustavo Bebiano ameaçado de demissão pelo presidente Jair Bolsonaro e aí vem o vice-presidente Hamilton Mourão para dizer que de hoje (a demissão) não passa. Essa paralisia tem influência direta em políticas públicas. O Brasil continua com 13 milhões de desempregados. Quem anda nas periferias do Recife como nós vê os reflexos do desemprego, da insegurança e a ansiedade do povo para que o Brasil volte a crescer, gerar empregos e renda”, disse o ex-prefeito.

Ele destacou que a paralisia do Governo Federal tem prejudicado municípios como o Recife no que tange à celebração de convênios e empréstimos com organismos internacionais para realizar obras.

“Um governo paralisado, sem projetos para o país e  gerador de crises não traz perspectivas para a população”, disse o ex-prefeito, frisando que o PT tem procurado articular-se com outros partidos de esquerda e movimentos sociais para construir uma alternativa aos projetos do governo Bolsonaro.

O vereador também destacou que o seu partido regressou à Frente Popular em Pernambuco para retomar o diálogo com as esquerdas e defender a democracia.

“Foi a partir dessa necessidade nacional de enfrentarmos um quadro de crise que voltamos a nos unir aqui em Pernambuco e no Recife, com a Frente Popular. Uma aliança com o PSB, o PCdoB e outros partidos cujo objetivo é juntar forças para enfrentar esse grave momento que vive o nosso país”, afirmou.