Haddad censura ida de Gleisi à posse de Nicolas Maduro

A viagem de Gleisi Hoffmann à Venezuela para representar o PT na posse do presidente Nicolás Maduro foi tema de discussão entre a presidente do partido e o candidato derrotado à Presidência da República, Fernando Haddad, na reunião da executiva nacional, em São Paulo, sábado passado.

Haddad foi questionado por Valter Pomar, líder da corrente “Articulação de Esquerda” e aliado de Gleisi, sobre entrevista dada ao jornal “El País” na qual afirmou que não foi consultado sobre a viagem.

“O Valter Pomar falou sobre críticas públicas e eu perguntei se ele leu o que eu disse”, explicou Haddad. “O que eu falei foi que não participei da discussão, depois percebi que ninguém tinha participado, e que recebi pela imprensa a informação. Estou falando de um protocolo que precisa ser observado. Nem precisava me ouvir, mas ninguém foi ouvido. O que falei é que teve uma carga simbólica muito forte e sobre o problema de comunicação, sobre a forma como se comunica isso”, disse o ex-prefeito de São Paulo.

Gleisi, criticada por ter ido a posse de um semi ditador, disse que o PT já tem posição formada sobre isto que é a defesa da autodeterminação dos povos, da soberania e do reconhecimento do resultado das eleições”.