Estudante pernambucana assassinada na Nicarágua teve o mesmo azar de Zilda Arns

A acadêmica de medicina pernambucana Rayneia Gabrielle Lima, 31 anos, natural de Vitória de Santo Antão, foi assassinada ontem (23), em Manágua, por um grupo paramilitar, quando saía da faculdade para casa.

Ele teve destino parecido com a da médica catarinense Zilda Arns, que morreu em 2010 no Haiti, vítima de um terremoto, quando realizava trabalho voluntário em favor dos pobres daquele país.

A Nicarágua, que tem como presidente da República o ex-sandinista Daniel Ortega, vive num clima de guerra civil desde abril após o governo ter proposto ao Congresso uma reforma previdenciária.

Rayneia Gabrielle Lima cursava o 3º ano de Medicina na Universidade Americana de Manágua e foi vítima da violência que campeia no país.

A morte dela foi confirmada pela Embaixada do Brasil na Nicarágua, que agora está em busca de mais informações sobre as causas do assassinato.