E Bolsonaro mandou o “bobão” de volta para os braços de Olavo

Coluna Fogo Cruzado – 9 de abril de 2019

  1. O presidente Jair Bolsonaro demitiu ontem, pelo Twitter, o ministro da Educação, Ricardo Veléz Rodriguéz, cumprindo promessa que havia assumido na semana passada.
  2. Veléz foi indicação do “astrólogo” Olavo de Carvalho, que reside nos EUA há 8 anos e é o “guru ideológico” de Bolsonaro e dos seus três filhos.
  3. Nascido na Colômbia, esse Veléz Rodriguéz é um bobão, um idiota completo, uma figura patética, alvo de chacota no Brasil e no exterior.
  4. Nunca deu uma entrevista para falar sobre os planos do MEC simplesmente porque não os tem.
  5. Por causa disto, foi encurralado na CCJ da Câmara Federal pela deputada Tábata Amaral (PDT-SP), filha de uma diarista que conseguiu formar-se na Universidade de Harvard.
  6. Tábata, que tem apenas 25 anos, questionou o ministro sobre que planos tinha para o MEC, metas, etc. Ele não respondeu porque não entendia absolutamente nada do assunto.
  7. Semana passada, foi alvo de críticas no país inteiro por ter admitido rever o conteúdo dos livros didáticos para dizer que o “golpe militar” de 64 não foi golpe e sim um “movimento militar de força”.
  8. Quinta-feira passada, durante café da manhã com jornalistas, Bolsonaro reconheceu que faltava gestão no MEC e que as coisas com o “professor Vélez” não iam bem.
  9. Foi o primeiro sinal de que o “bobo da corte” seria exonerado, sendo que Bolsonaro fixou até data para a demissão: 8 de abril.
  10. No entanto, o “bobão” é tão idiota que foi a Campos do Jordão (SP), sexta-feira passada, fazer uma palestra e ao sair do evento disse que não pediria demissão. Não pediu e nesta segunda-feira foi mandado embora.

É isso aí

NEM AÍ PARA PESQUISA

Uma semana após ter posto em dúvida uma pesquisa do Ibope sobre sua queda de popularidade e um levantamento do IBGE sobre o aumento da taxa de desemprego no país, o presidente Jair Bolsonaro voltou a pôr em dúvida a última pesquisa do Datafolha, divulgada domingo (6) pela Folha de São Paulo, apontando que ele tem a pior avaliação em 100 dias de governo dentre todos os presidentes que se elegeram de 1989 para cá. Ficou brabo, inclusive, porque o levantamento revelou que a maioria dos entrevistados o consideram “menos inteligente” que o ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff. “Kkkkkkk”, postou Bolsonaro em seu Twitter.

TRUE NEWS

A notícia de que o “bobão” Ricardo Vélez Rodrigues seria demitido do Ministério da Educação foi dada em primeira mão pela jornalista Eliane Catanhêde (colunista do “Estadão”). Bolsonaro ficou brabo e disse que se tratava de “fake news”. Não quis dar o braço a torcer e teve que “engolir”, calado, o que a jornalista publicou. O novo ministro é Abraham Bragança de Vasconcelos Weintraub, professor da Universidade Federal de SP.

CORRUPÇÃO E GOVERNO

Os delegados federais Jorge Pontes e Márcio Anselmo (Lava Jato) escreveram a quatro mãos o livro “Crime.gov: Quando corrupção e governo se misturam”, lançado pela Editora Objetiva. O livro mostra como o crime organizado chegou às principais instituições brasileiras. Se tivessem ouvido Sérgio Cabral (MDB), ex-governador do RJ, saberiam que o esquema de propina naquele Estado começou ainda na década de 80. E o livro teria pelo menos 2 mil páginas e não apenas 264.

PSB VOLTA A CERCAR JOAQUIM

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, colocou o nome do ex-ministro Joaquim Barbosa (STF) no Conselho de Relações Internacionais do partido. O Conselho será coordenado pelo deputado Alessandro Molon (RJ), líder da oposição no Congresso. Ele foi o principal estimulador da candidatura do ex-ministro à sucessão presidencial de 2014. Ele se filiou ao PSB no dia 6 abril de 2018, chegou a ter 10% de intenções de voto, mas não topou ser candidato. Como fala inglês e alemão, o Conselho está em boas mãos. No segundo turno da eleição, postou em seu twitter: “Pela primeira vez em 32 anos de exercício do direito de voto, um candidato (Bolsonaro) me inspira medo. Por isso, votarei em Fernando Haddad”. 

PÁRA DE ELOGIAR DITADORES!

Co-autor do livro “Entendendo o Brasil contemporâneo”, o escritor britânico Anthony Pereira, diretor de pesquisas sobre o Brasil no King’s College de Londres, disse em entrevista ao “Estadão” de domingo (7) que Bolsonaro não está sendo visto no exterior como um “liberal” e sim como um elogiador de governos autoritários. Disse também que o presidente deveria parar de elogiar ditadores e partir para a construção de uma base de apoio no Congresso Nacional. Depois que tomou posse, Bolsonaro fez elogios públicos aos ex-ditadores Alfredo Strossner (Paraguai) e Augusto Pinochet (Chile).

PRESTÍGIO EM QUEDA

O presidente Jair Bolsonaro completará 100 dias de governo nesta quarta-feira (10) e, segundo o Instituto Datafolha, com apenas 32% de avaliação positiva, ante 30% de avaliação negativa. Ele é visto por 39% dos brasileiros como “pouco inteligente”, embora isso não seja verdade. Se fosse “burro”, não teria sido eleito presidente da República defendendo o golpe de 64 o coronel torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, autor do livro “A verdade sufocada”.

TESTEMUNHA OCULAR

O deputado estadual Marco Aurélio Medeiros (PRTB), líder da Oposição na Assembleia Legislativa, voltou ontem à noite dos EUA onde acompanhou o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, numa conferência sobre o Brasil na Universidade de Harvard. O general deu uma opinião sobre Bolsonaro que não é muito original: “Ele está trabalhando para as próximas gerações e não para as próximas eleições. E tem firme que em 1º de janeiro de 2023, quando entregarmos nosso bastão, o país deverá estar com suas reformas prontas e com a base em condições para que então tomemos o rumo para aquilo que tem que ser nosso destino manifesto”.


EM DEFESA DA REFORMA

O deputado Daniel Coelho, líder da bancada do Cidadania na Câmara Federal, não está atrás de aplauso fácil. É um vigoroso e convicto defensor da reforma previdenciária por entender que sem ela o Brasil se inviabilizará daqui a três ou quatro anos como nação. Estão na mesma posição os deputados André de Paula (PSD) e Sílvio Costa Filho (PRB).

AS VOLTAS QUE A POLÍTICA DÁ

Um petista elogiando Paulo Câmara era algo impensável até 2014. Pois, nesta segunda-feira (8), o vereador e ex-prefeito do Recife, João da Costa (PT), propôs na Câmara Municipal um voto de aplauso ao governador Paulo Câmara (PSB) pelo lançamento do programa “Nota Fiscal Solidária” que possibilitará ao Governo do Estado o pagamento da 13ª parcela aos beneficiários do Bolsa Família.

QUE VENHA COM OUTRA CABEÇA

Do deputado Danilo Cabral (PSB), ex-presidente da Comissão de Educação da Câmara Federal sobre a saída de Ricardo Vélez da pasta da Educação: “Espero que o novo ministro consiga serenar o ambiente da educação, área que deveria ser estratégica para o governo. Pois até agora o que vimos foi uma briga interna por cargos entre militares, evangélicos e olavistas”.

DIPLOMA ELIETE LEITE

A Câmara de Olinda entregou ontem (8) a diversas personalidades do sexo feminino – agentes de saúde, lideranças comunitárias, advogada, jornalista, engenheira, professoras, atletas e lideranças comunitárias – O Diploma Vereadora Eliete Leite. “Trata-se de uma homenagem à primeira mulher eleita vereadora em Olinda, Eliete Leite, e um reconhecimento às mulheres que dedicam sua vida prestando serviços na sua comunidade,” disse o presidente Jorge Federal (PR). Foram agraciadas Nanci Rodrigues Soares, Ozete Joaquina dos Santos, Michele Oliveira da Silva, Josely Conceição Santos Martins da Silva, Priscila Couto de Lima, Janne Cleide Alves do Nascimento, Sandra Maria Freire Gomes, Gianne Ferreira da Silva, Maria Severina da Silva, Valéria Peregrino Fernandes, Suely Maria Ferraz Leite, Priscila Agra de Melo, Valdira Celina da Silva, Isolda Pinto Braga, Célia Maria Marques da Costa, Hilda Gomes, Laudjane Domingos, Kathya Nogueira, Lindalva Minervinha da Silva, Isly Viana e  Regina Célia Almeida Silva Barbosa.