Dnocs é um dos órgãos públicos mais vulneráveis à corrupção, diz TCU

Com sede em Fortaleza, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) é um dos órgãos da União com maior risco de fraudes e corrupção do País.

A informação é de relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) feito com base em auditorias em 287 órgãos do Poder Executivo, incluindo empresas estatais. O TCU será presidido a partir de 12 de dezembro pelo pernambucano José Múcio Monteiro Filho.

Fundado em 1909, no governo do presidente Nilo Peçanha, o Dnocs tem orçamento de R$ 1,6 bilhão mas ninguém vê o resultado desse dinheiro.

Mal avaliado nos seis critérios do estudo, o órgão aparece na “zona vermelha” do relatório, que contempla órgãos de grandes recursos e alto risco de fraudes. Na média final, o departamento aparece com nota 0,91 de risco. A escala vai de zero a um – sendo um o maior risco.