Ciro bota a campanha nas ruas com três anos e 6 meses de antecedência

Coluna Fogo Cruzado – 13 de abril de 2019

  1. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) já botou nas ruas a sua campanha para a eleição presidencial de 2022, a julgar pelas suas últimas entrevistas, suas críticas ácidas ao governo Bolsonaro e os estímulos que recebe das ruas para disputar o Palácio do Planalto pela quarta vez (afinal, foi na quarta tentativa que Lula chegou lá).
  2. Ontem, o pedetista caiu de pau na proposta de autonomia do Banco Central anunciada solenemente pelo presidente Jair Bolsonaro. Se o projeto passar, disse ele, é o caso de “ir para rua e quebrar tudo”.
  3. “Se começar a privatizar os dois últimos bancos públicos (BB e Caixa Econômica) e entregar o Banco Central ao predomínio do sistema financeiro, simplesmente se estará destruindo a sustentação do povo brasileiro”, disse o ex-ministro.
  4. Depois, explicando melhor o que quis dizer com “ir para a rua e quebrar tudo”, Ciro Gomes declarou: “Não acho que o povo brasileiro deva aceitar passivamente uma medida como esta. Uma maneira de reagir é ir para a rua de forma calorosa. E eu não vou mandar ir, eu vou junto”.
  5. Ciro admite que ainda não é hora de cobrar “resultados efetivos” do governo Bolsonaro, que tem pouco mais de 100 dias de instalação. Mas isso não significa que não se possa criticá-lo por erros eventualmente cometidos.
  6. “O governo Bolsonaro já merece crítica severa em relação à forma e conteúdo com que tem se posicionado em relação à nossa política externa. É quase criminosa, por exemplo, a conduta do governo brasileiro em relação aos interesses nacionais”.
  7. “É chocante e constrangedora a vassalagem do governo brasileiro ao império norte-americano”, acrescentou.
  8. Sobre a reforma da previdência, aceitaria um “regime de capitalização” apenas para salário superior a R$ 4 mil, a manutenção do “regime de repartição” até este patamar e a garantia de que não haveria nenhum benefício inferior ao salário mínimo.
  9. No “regime de capitalização” proposto pelo ministro Paulo Guedes, disse ele, “estaríamos produzindo uma imensa e precoce legião de mendigos de idade avançada no Brasil”.
  10. Nesta sexta-feira, Ciro Gomes fez palestra na Faculdade de Direito da UFMG, onde foi aplaudido pelos acadêmicos ao declarar que Jair Bolsonaro é um “despreparado absoluto”.
  11. “O que se gastou em educação nesses 100 dias, é menos do que se gastava em todo o período dos governos que nos antecederam. Portanto, estamos caindo em um buraco”, disse ele. “Se eu digo que minha prioridade é segurança, e o dinheiro que eu gasto em segurança é menor do que todo mundo gastou, eu estou mentido, não estou dando prioridade nenhuma”.
  12. Sobre o escritor ultradireitista Olavo de Carvalho, que teria indicado os dois ministros da Educação de Bolsonaro, Ciro disse o seguinte: “Eu conheço Olavo de Carvalho há muito tempo. Ele é basicamente um gozador. Neste momento, ele deve estar se desdobrando de rir por ser reconhecido como guru (do presidente da República). Mas logo mais vocês vão vê-lo esculhambar o governo, e isso não demora”.

É isso aí.

BOLSONARO IRONIZA A COLUNA RADAR

Bolsonaro ironizou hoje (12) a coluna “Radar” da revista “Veja” por ter noticiado que ele estaria examinando a hipótese de demitir o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores). O motivo seria a troca no comando, feita pelo ministro, na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), vinculada à sua pasta. Ao saber da notícia, o presidente postou no seu Twitter: “Kkkkkkkkkk”.

CORRUPÇÃO CHEGOU TAMBÉM AO MP

No Rio, a corrupção não poupou ninguém. Atraiu para a sua seara gente do Poder Executivo (Sérgio Cabral), do Legislativo, do TCE e do Ministério Público. Hoje, paa surpresa do “imaculado” Daltan Dellagnol, o juiz Sérgio Louzada (2ª Vara de Fazenda Pública do RJ), bloqueou bens no valor de R$ 38 milhões do ex-procurador-geral de Justiça do Estado, Cláudio Lopes, capturado pelo então governador Sérgio Cabral (MDB). Além disso, Lopes foi proibido de circular pelas instalações do MP, já que foi condenado por improbidade administrativa e organização criminosa.

69 CRIMES POR 100 MIL HABITANTES

Com base em dados de 2018, a ONG mexicana “Seguridad, Justicia e Paz” apontou  Fortaleza como a 9ª cidade mais violenta do mundo com 69 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes para desconforto do governador reeleito Camilo Santana (PT). A capital cearense também foi apontada como a segunda cidade mais violenta do Brasil, perdendo apenas para Natal.

O TIME DE VICE-LÍDERES

Bolsonaro já indicou 8 vice-líderes do seu governo na Câmara Federal e nenhum deles é de Pernambuco apesar de o Estado contar com um “bolsonarista” convicto que é o deputado Sílvio Costa Filho (PRB). O time é formado por Carlos Henrique Gaguim (DEM-TO), Darcísio Perondi (MDB-RS), Capitão Augusto (PR-SP), Carlos Jordy (PSL-RJ), Coronel Armando (PSL-SC), José Medeiros (PODE-MT), Lucas Vergilio (Solidariedade-GO) e Major Fabiana (PSL-RJ).

SUSPENDE O REAJUSTE, POR FAVOR!

O novo presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, escolhido pelo ministro Paulo Guedes (Economia), deu nesta sexta-feira (12) a primeira demonstração de que aceita ingerência externa na condução da empresa. Por teleconferência, ele disse aos conselheiros de administração da estatal, que voltou atrás na decisão de reajustar em 5,7% o preço do diesel, anunciado na véspera, por determinação de Bolsonaro. O presidente, temendo uma nova greve de caminhoneiros, declarou o seguinte: “Eu liguei para o Castello Branco, sim, pois me surpreendi com o reajuste de 5,7%. Não vou ser intervencionista (como Dilma Rousseff, que segurou os preços, artificialmente, com medo da alta da inflação), não vou praticar a política que fizeram no passado. Mas quero os números da Petrobrás. Quero saber quanto custa para produzir um barril de petróleo no Brasil e qual o preço dos combustíveis lá fora”. O resultado desta intervenção foi a queda no preço das ações da estatal na Bolsa de Valores de SP e de Nova York. Desde a sua criação em 1952, a Petrobrás só teve um presidente pernambucano: Alpheu Valença, primo do cantor Alceu Valença.

APESAR DO CADASTRO NEGATIVO

O governo federal vai liberar recursos de emendas parlamentares individuais para prefeituras que estavam impedidas de receber os repasses por causas de dívidas com a União. A liberação tornou-se possível após um novo parecer da Advocacia Geral da União, aprovado pelo presidente Bolsonaro, que mudou a interpretação do artigo da Constituição que trata da matéria.  A articulação com a AGU foi feita pelo líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), constantemente criticado por colegas por não ter experiência parlamentar (está cumprindo o primeiro mandato).

ORÇAMENTO IMPOSITIVO

O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), filho do ex-prefeito de Campina Grande, Enivaldo Ribeiro, foi indicado pelo presidente da CCJ da Câmara Federal, Felipe Francischini (PSL-PR), para ser o relator da PEC do Orçamento Impositivo. A PEC estabelece que o governo federal é obrigado a liberar os recursos das emendas parlamentares de bancada. Ela já havia sido aprovada na Câmara por mais de 400 votos e apenas seis contra, e logo depois no Senado. Como os senadores mexeram no texto, a matéria retornou à Câmara, onde será aprovada com apoio de todos os partidos. As “emendas impositivas” foram instituídas em Pernambuco pelo governador Eduardo Campos. Mas, hoje, só são “impositivas” no nome.   

PROGRAMAÇÃO DA 47ª EXPOCOSE

O prefeito de Sertânia, Ângelo Ferreira (PSB), anunciou nesta sexta-feira (12) as atrações musicais da 47ª Expocose (Exposição de Caprinos e Ovinos de Sertânia). O evento se realizará entre de 24 a 28 de julho no parque de exposições da cidade. Estão confirmados shows dos cantores Marília Mendonça, Ávine Vinny e Nico Batista (prata da casa). Segundo o IBGE, Sertânia é considerada a “capital nordestina da caprinocultura” com um rebanho superior a 200 mil animais. O governador Paulo Câmara estará na abertura do evento.

GERALDO VERSUS CRIVELLA

Diferentemente do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), que três dias após o dilúvio que se abateu sobre a “cidade maravilhosa” é que assinou o decreto colocando-a em “estado de emergência”, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), costuma encarar a meteorologia com mais responsabilidade. Nesta sexta-feira (12), por exemplo, o prefeito acompanhou ações da “Operação Inverno” em vários bairros da cidade, entre eles Brejo e Guabiraba. No local, para prevenir ações decorrentes das chuvas, foram colocadas lonas e realizados serviços de capinação e desobstrução de galerias. De acordo com a APAC (Agência Pernambucana de Águas e Clima), choveu 74 mm, nesta sexta-feira, o correspondente a uma semana de chuvas, considerando-se à média histórica para o período. Só entre 10h e 11h choveu 42,5 mm. Essas fortes chuvas coincidiram com o pico da maré alta, que chegou a 2 metros às 9h23.

UM MUSEU PARA IMORTALIZAR O FIG

O líder do PSB na Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Sivaldo Albino, pediu ao secretário estadual de Cultura, Gilberto Freyre Neto, para instalar em Garanhuns o “Museu do Festival de Inverno”, evento criado na gestão do então prefeito Ivo Amaral (MDB). O FIG é um dos maiores festivais de cultura do país e é organizado pela Fundarpe, que é quem define e banca as atrações. A prefeitura, nos últimos 5 anos, foi totalmente excluída do evento porque o prefeito Izaías Régis (PTB) não é alinhado com o Palácio do Campo das Princesas. 

CRIADO O DISTRITO, FALTAM AS INDÚSTRIAS

Nesta sexta-feira (12), o presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, participou de uma reunião em Limoeiro com o prefeito João Luís Ferreira Filho (PSB), o “Joaõzinho”, para discutir o início das obras de acesso e a venda subsidiada dos lotes do Distrito Industrial. Por falta de recursos, o processo de licitação das obras está previsto para o próximo mês de maio. Muitas cidades de Pernambuco criaram distritos industriais, mas esqueceram do principal: as indústrias. Em algumas, o terreno ficou apenas no terreno, sem sequer uma fábrica de pipoca.