0

Fernando Bezerra admite torcer por Márcio França para presidir o PSB nacional

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) admitiu ao “Diário de Pernambuco”, edição deste fim de semana, que seu candidato à presidência nacional do PSB é o vice-governador de São Paulo, Márcio França, e não o atual presidente Carlos Siqueira.

Segundo ele, é preciso reconhecer a importância política de França, que vai assumir o governo de São Paulo em abril do próximo ano (com a desincompatibilização do governador Geraldo Alckmin para disputar a Presidência da República) e, se o PSDB permitir, disputar a reeleição.

“Isso tudo gera uma definição de cenário para 2018, quando precisaremos eleger uma boa bancada de governadores, em parceria com o PSDB”, disse o senador ao jornal.

Siqueira não quis fazer comentários sobre a proposta do senador, nem mesmo sobre uma suposta articulação da parte dele para assumir o controle da legenda em caso de impasse entre entre os dois candidatos. Apenas limitou-se a dizer que “há espaço para todos”.

0

Sai o 3º volume dos “Diários da Presidência” de Fernando Henrique Cardoso

Já está nas livrarias o terceiro volume da série “Diários da Presidência” do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O livro tem 850 páginas e registra o dia a dia de FHC à frente dos destinos do Brasil. Como ele não tinha tempo de fazer anotações para depois passá-las para o papel, optou por um gravador.

Todos os dias, ao final do expediente, deixava registrados no aparelho os acontecimentos daquela data.

Nesse terceiro volume, o ex-presidente não poupa sequer os aliados, que o pressionaram muito em busca de cargos para correligionários.

Critica também os adversários, entre eles Lula (que viria a ser o seu sucessor) e o ex-ministro Ciro Gomes. Ambos são classificados de “mau-caráter”.

“Lula é um mau-caratismo mais popular, o Ciro é de classe média. Ciro tem a petulância própria do impostor. Não engulo”, registrou.

Ele também acusa o senador José Serra, que foi seu ministro do Planejamento e da Saúde, de “só pedir, pedir e pedir, mas não vestir a camisa do governo (…). Ele é de catar milho, coisa por coisa, cobrando, cobrando, cobrando. Acho uma pena o Serra não querer assumir que é governo”.

Sobre o senador Aécio Neves, que à época era presidente da Câmara Federal, FHC anotou: “O Aécio acha que a política brasileira gira em torno dele. Ele quer chutar o PMDB do governo”.

0

Padilha ou Gleisi Hoffmann deve substituir Rui Falcão na presidência do PT

Depois que o presidente Lula comunicou aos seus aliados que não pretende disputar a presidência nacional do PT no próximo congresso do partido marcado para o mês de junho, três candidatos vinculados à tendência CNB (Construindo um Novo Brasil) podem ser a opção partidária para substituir o presidente Rui Falcão.

São eles o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) e o tesoureiro do partido Márcio Macedo. A CNB tenta evitar a candidatura do senador Lindberg Farias (RJ) porque ele não é petista de origem. Militou antes no PCdoB e no PSTU.

Esta não é a primeira vez que a senadora Gleisi tem o nome lembrado para a presidência nacional do PT. Antes ela alegou que não poderia assumir o cargo porque é ré, ao lado do marido Paulo Bernardo, ex-ministro de Dilma, num dos processos da Lava Jato.

O 6º congresso nacional do PT está marcado para os dias 3 e 4 de junho, em Brasília.

0

Temer pede ao TSE que julgue suas contas separadas das de Dilma

O presidente Michel Temer pediu ao Tribunal Superior Eleitoral, através dos seus advogados, que a sua prestação de contas da campanha de 2014 seja julgada separadamente das contas da ex-presidente Dilma Rousseff.

Temer foi notificado pelo ministro e relator do processo, Herman Benjamin, para apresentar suas “alegações finais”. O ministro, que é paraibano de Catolé do Rocha, tem dado várias demonstrações de que pretende votar pela rejeição das contas de ambos, que teriam sido abastecidas com recursos de “caixa dois” da Odebrecht, abrindo caminho para a cassação do registro da chapa.

Se o seu voto for acolhido por pelo menos três outros ministros, o registro da chapa será indeferido mas Temer não seria afastado do cargo, de imediato, porque da decisão caberia recurso para o STF.

Se a Suprema Corte não der provimento ao recurso, aí sim, Temer perderá o mandato e o Congresso deve realizar eleição indireta para a escolha do seu substituto.

Quanto ao julgamento das contas de forma separada, os advogados de Temer alegam que quando ele foi candidato a vice de Dilma optou por esse caminho, mesmo sabendo que a jurisprudência do TSE não aceita esse modelo. A chapa é considerada una e indivisível. E ponto final.

Os advogados Gustavo Binini Guedes, Marcus Vinicius Furtado Coelho e Paulo Henrique Santos Lucon argumentam na defesa de Temer que está previsto na Constituição que a eleição de um presidente implica também a do seu vice, mas que a destituição de um não significa necessariamente a destituição do outro.

0

Governador promete liberar 123 milhões para municípios sertanejos

Durante a primeira edição do seminário “Pernambuco em ação” nos municípios de Afogados da Ingazeira, Petrolândia e Arcoverde, neste último final de semana, o governador Paulo Câmara prometeu liberar R$ 123 milhões para cidades das três regiões.

Os recursos, caso sejam mesmo liberados, deverão ser investidos em educação, saúde, recursos hídricos, estradas, construção de novas escolas, reforma de praças, quadras poliesportivas, etc.

Os recursos são provenientes do FEM (Fundo de Apoio aos Municípios), cuja liberação está atrasada há mais de dois anos porque o Governo do Estado estava em “caixa” para honrar os compromissos que havia assumido com os prefeitos.

O anúncio animou também os prestadores de serviço das áreas de segurança, conservação e limpeza, que estão sem receber do Governo do Estado há pelo menos 90 dias.

Acompanharam o governador neste primeiro seminário do “Pernambuco em ação” os deputados estaduais Rodrigo Novaes (PSD), Isaltino Nascimento (PSB), Eduíno Brito (PP), Ricardo Costa (PMDB), Waldemar Borges (PSB), Joaquim Lira (PSD), José Maurício (PP), Laura Gomes (PSB), Rogério Leão (PR) e Diogo Moraes. E os deputados federais André de Paula (PSD), Fernando Monteiro (PP), João Fernando Coutinho (PSB), Gonzaga Patriota (PSB) e Kaio Maniçoba (PMDB), além do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB).

0

Sílvio Costa muda de opinião e agora é contra a reforma da Previdência

O deputado Sílvio Costa (PTdoB) mudou de opinião sobre a reforma da Previdência. Era a favor até o final de 2016 mas agora ficou contra por ela ter sido enviada ao Congresso pelo presidente Michel Temer, em quem não reconhece legitimidade para propor uma PEC de tamanha relevância.

Neste sábado (25), durante palestra que fez na cidade de Bonito num congresso estadual de vereadores, o parlamentar defendeu uma ampla mobilização nacional para forçar o Congresso Nacional a rejeitar a reforma.

Ao chegar ao local do evento, Sílvio Costa foi recepcionado pelos dois candidatos que disputavam a presidência da UVP: Josinaldo Barbosa (PTB), que foi reeleito, e André Valença (PSD).

Ao ouvir apelos de vários vereadores para votar contra a reforma previdenciária, o deputado pernambucano declarou: “Ela não vai passar. Essa reforma tem chance zero. Estamos lutando para liquidá-la de vez”.

0

PSDB de SP não vai ceder a vaga para Márcio França

Coluna Fogo Cruzado – 25 de março

O então vice João Lyra Neto assumiu o Governo do Estado em 2014 como sucessor de Eduardo Campos, mas foi impedido de concorrer à reeleição

Muito se discute, hoje, dentro e fora do PSDB, se o partido apoiará para o governo de São Paulo em 2018 o vice-governador Márcio França, filiado ao PSB. França deverá assumir o governo do mais rico e populoso estado da Federação em abril do próximo ano quando o governador Geraldo Alckmin desincompatibilizar-se para disputar a presidência da República. Natural, portanto, que já estando à frente do Palácio dos Bandeirantes, lhe seja facultado o direito de concorrer à reeleição. Ocorre, entretanto, que São Paulo é o mais tucano dos estados e a cúpula nacional do PSDB não parece disposta a ceder a vaga ao atual vice, mesmo em troca do apoio do PSB (partido dele) à candidatura de Geraldo Alckmin. É o que o prefeito da capital, João Dória, tem deixado claro perante os seus interlocutores. O mais provável é que o PSDB faça com França o que o PSB fez em Pernambuco em 2014 com o então vice João Lyra Neto: assume o governo estadual, como sucessor de Eduardo Campos, mas não disputa a reeleição.

Moro já não é mais unanimidade

O prestígio do juiz Sérgio Moro ainda é alto no Brasil, mas ele não é mais a unanimidade que era dois anos atrás quando começou a mandar para a cadeira os “tubarões” alcançados pela Lava Jato. O magistrado tem cometido algumas besteiras, como determinar a coerção coercitiva de Lula, vazar o áudio de uma conversa dele com Dilma Rousseff e intimidar um blogueiro para revelar a fonte de uma notícia que ele não estava obrigado a fazê-lo por estar amparado pela Constituição.

Mostro moral – O ministro Édson Fachin, relator dos processos da Lava Jato no STF, autorizou a Polícia Federal a ouvir o depoimento de Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá sobre a delação de Sérgio Machado, ex-diretor da Transpetro, que os acusou da tentativa de obstrução da Justiça. Machado, que era assíduo freqüentador da casa de Sarney, em Brasília, foi chamado pelo ex-presidente de “monstro moral”.

Separação – O ministro Herman Benjamin vai mesmo levar a julgamento no TSE, ainda este semestre, o processo em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma/Temer por abuso de poder político e econômico. A jurisprudência da Corte é no sentido de que, cassando um, tem também que cassar o outro, porque, para efeito da Justiça Eleitoral, a chapa é “una”, ou seja, indivisível.

Prejuízo – A União Europeia e mais 14 países já suspenderam temporariamente a compra de carne ao Brasil devido à espetaculosa operação da Polícia Federal chamada “Carne Fraca”. Até o nome contribuiu para que os nossos frigoríficos passassem a ser encarados com desconfiança, fato que vai lhes custar pelo menos cinco anos para recuperar a clientela perdida.

Cara própria – A circulada que o governador Paulo Câmara fez pelo Sertão neste final de semana dentro do programa “Pernambuco em ação” contribuiu enormemente para dar uma identidade ao governo dele, que ainda não tinha. O governador vinha se mantendo à sombra do seu mentor político, Eduardo Campos, mas agora vai caminhar com as próprias pernas.

Carinho – Em sua passagem ontem por Floresta, o governador afagou os três grupos políticos em que a cidade de divide. Almoçou com o deputado Rodrigo Novaes (PSD), vice-líder do governo na Assembleia Legislativa, e depois fez uma visita de cortesia à ex-prefeita Rorró Maniçoba (PSB), mãe do deputado federal Kaio Maniçoba (PMDB), e ao prefeito Ricardo Ferraz (PRP).

Porta aberta – O deputado Sílvio Costa aproximou-se tanto do ex-presidente Lula nos últimos dois anos que sua eventual saída do PTdoB para se filiar ao PT seria encarada com naturalidade. Ele leva a sério o projeto de disputar uma candidatura majoritária em 2010, de preferência o Senado, para botar a campanha nas ruas como “o senador de Lula”.

Abuso – Está pronto para entrar na pauta de votação do Senado o projeto de lei de “abuso de autoridade”. Se aprovado, valerá para juízes, promotores, policiais civis “e até para o guarda da esquina”, como diz o senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator do projeto na CCJ.

Hospital – No mesmo dia (quinta) em que Paulo Câmara anunciou em Serra Talhada que vai iniciar a construção do Hospital Regional do Sertão, choveram denúncias a este Blog sobre as precárias condições em que se encontra o Hospital Regional do Agreste (Caruaru), onde pacientes são atendidos nos corredores, quase todos os dias, por falta de leitos.

Protesto – O Movimento Brasil Livre (MBL) e a torcida organizada do “Vem pra rua” farão neste domingo (26), na orla marítima de Boa Viagem, um “protesto a favor”. Seus militantes sairão às ruas para apoiar a Operação Lava Jato, o que parece algo desnecessário porque esta Operação não está sob nenhum tipo de ameaça ou questionamento. O que ela precisa fazer é concluir os seus trabalhos, o que não ocorrerá antes de 2022.