0

Siqueira imita o Discurso do PSTU

Coluna Fogo Cruzado – 31 de dezembro

Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, trata a questão da dívida pública com a mesma linguagem do PSTU

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, divulgou uma entrevista dada por ele ao site do partido com críticas a Dilma Rousseff e à política econômica do governo federal. Em alguns trechos da entrevista, o linguajar confunde-se com o do PSTU, senão vejamos. “A política da presidente é sugar dinheiro do contribuinte para pagar juros da dívida pública. Isso é crime contra o país”. Essas palavras cairiam bem na boca de José Maria Almeida, presidente do PSTU, e não do presidente do PSB, que trata a questão da dívida pública com linguagem de colegial engajado. O Brasil, de fato, reservou no OGU de 2016 mais de R$ 600 bilhões para o pagamento de juros da dívida pública porque as regras do jogo são exatamente estas. Ou Carlos Siqueira por acaso está supondo que se Marina Silva tivesse ganhado a eleição presidencial de 20i4 iria suspender o pagamento dessa dívida?. Se estiver, passa atestado de ingenuidade.

Olinda em efervescência

Animado com o resultado de uma pesquisa feita em Olinda, em que aparece em 1º lugar quando tem o nome associado ao de Eduardo Campos, o advogado e pré-candidato a prefeito, Antônio Campos, reuniu 400 pessoas numa festa de confraternização. Ele já tem o apoio de cinco partidos e contabilizava até ontem 100 candidatos a vereador. Vai peitar Izabel Urquisa (PSDB) Luciana Santos (PCdoB), Ricardo Costa (PMDB), João Luiz (PPS) e Teresa Leitão (PT).

Imposto – Não foi apenas Paulo Câmara que decidiu aumentou impostos para incrementar a receita nesses tempos de crise. Outros governadores fizeram o mesmo, a exemplo de José Ivo Sartori (RS), que está administrando uma massa falida. O Estado fechou suas contas deste ano com um déficit de R$ 2,6 bilhões e tem uma dívida acumulada de R$ 32 bilhões.

Mulher – O DEM está fazendo fé em duas mulheres como candidatas a prefeito nas eleições do próximo ano: Claudomira Andrade (Garanhuns) e Maria das Graças Lapa (Tracunhaém).

Férias – A prefeitura de Caruaru creditou ontem na conta dos professores da rede municipal o valor correspondente às férias, algo que nem o Governo do Estado conseguiu fazer.

Justiça – Vai virar uma batalha judicial eventual decisão do Governo do Estado de romper unilateralmente o contrato feito com a Odebrecht para a construção da Arena da Copa.

Exceção – Dos secretários de Paulo Câmara, apenas o de Agricultura, Nilton Mota, vai deixar o governo em abril próximo para disputar mandato eletivo. Ele vai concorrer à prefeitura de Surubim, sua terra, contra o prefeito Túlio Vieira (PT), que será candidato à reeleição. Danilo Cabral (planejamento) é o patrocinador da candidatura.

Susto – Prefeitos de Pernambuco estão assustados, e com razão, com o reajuste do salário mínimo para R$ 880,00 – a partir de amanhã, mais o reajuste do piso salarial dos professores que ainda não se sabe de quanto será. Eles reclamam porque o governo federal decide em Brasília os reajustes e manda a conta para os municípios pagarem.

Dor – O ex-ministro Gustavo Krause está sofrendo porque três dos seus grandes amigos sofrem com o Mal de Alzheimer. O caso do ex-senador Marco Maciel o que mais o deixa triste. Krause ocupou seu primeiro cargo público no governo de Moura Cavalcanti (secretário da Fazenda) mas foi Marco Maciel quem o atraiu para a política ao indicá-lo em 1979 para a prefeitura do Recife. De lá para cá sempre caminharam juntos na vida pública.

Indulto – Se não tivesse sido condenado no processo da Petrobras, o ex-deputado Pedro Corrêa poderia requerer ao STF a extinção da pena a que foi condenado no processo do mensalão com base no indulto de Natal assinado pela presidente Dilma Rousseff na semana passada. Ele atenderia a todos os requisitos exigidos pelo decreto presidencial, entre eles o cumprimento de pelo menos um sexto da pena a que foi condenado e bom comportamento.