0

Adriano Oliveira, Maurício Romão e Carlos Gadelha lançarão livro no próximo dia 12

Adriano Oliveira, Maurício Romão e Carlos Gadelha lançarão livro no próximo dia 12Próximo dia 12, às 19 horas, no Restaurante Manoel Bandeira, no bairro das Graças, próximo à Faculdade Maurício de Nassau, será lançado o livro Eleições e Pesquisas Eleitorais – Desvendando a Caixa-Preta de autoria de autoria dos professores Adriano Oliveira (cientista político), Maurício Romão (economista) e Carlos Gadelha (estatístico). O prefácio é do sociólogo Antonio Lavareda.

No livro, os autores contam como são feitas as pesquisas eleitorais, que ainda são vistas com desconfiança por pessoas leigas, malgrado o seu caráter científico.

Conforme Adriano Oliveira, pesquisa é um instrumento indispensável para quem pensa em disputar uma eleição porque ela recolhe informações que são necessárias ao planejamento da campanha.

 

1

Ministro de Assuntos Estratégicos veio conhecer a sala de monitoramento do Governo do Estado

O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Moreira Franco (PMDB), veio a Pernambuco nesta quarta-feira para acompanhar uma sessão de monitoramento das ações de cidadania do Governo do Estado.

O ministro, que já foi governador do Rio de Janeiro, passará uma parte da noite na Secretaria de Planejamento e Gestão, onde está montada a sala de monitoramento.

O governador Eduardo Campos vai estar ao lado do ministro, dando continuidade ao monitoramento que foi iniciado na última segunda-feira.

Já foram monitoradas as áreas de infraestrutura e sustentabilidade ambiental. E na próxima semana serão monitoradas as ações de Saúde, Habitação, Desenvolvimento Rural, Educação e Pacto pela Vida.

Nesta quinta-feira, o ministro Moreira Franco permanece no Recife para reuniões com o presidente do Conselho Administrativo do Porto Digital, Sílvio Meira, englobando temas como inovação e políticas tecnológicas.

À tarde, ele visitará o C.E.S.A.R. (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), o Porto Digital e Startups. Depois segue para visita à Escola Técnica Estadual Cícero Dias, no bairro Boa Viagem.

0

Apoio do PSB a Serra daria ao candidato tucano mais 1 minuto e 21 segundos de televisão

1-    Eventual apoio do PSB a José Serra daria ao candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo 1 minuto e 21 segundos de televisão.

2- O PSB já está na base de apoio ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) e ao prefeito Gilberto Kassab (PSD), mas ainda não decidiu oficialmente o que irá fazer nas próximas eleições.

3- Pelo desejo do presidente estadual da legenda, Márcio França, que é ex-prefeito de São Vicente e secretário de turismo do Governo do Estado, o partido marchará com Serra.

4- Entretanto, pelo fato de Serra ter dito, ontem, que vai “nacionalizar” sua campanha, confrontando a “visão de mundo” do PSDB com a do PT, o governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, quer analisar melhor essa questão.

5- Eduardo é um aliado histórico do PT e velho amigo do ex-presidente Lula, que está patrocinando a candidatura do ex-ministro Paulo Haddad (PT). Daí precisar de tempo para administrar este problema.

6- Se o PSB ficar com Serra, afirma o senador Humberto Costa (PT-PE), a aliança nacional que o PT mantém com o PSB estará trincada pela base.

7- Pois, segundo sua opinião, como o PSB explicaria estar atrelado ao “projeto nacional” do PSDB no maior estado da Federação?

8- Além disso, Serra também está dizendo que o futuro do país depende do resultado da eleição de São Paulo.

9- Hoje, em sua primeira coletiva de imprensa depois de se lançou candidato, Serra não cometeu mais a besteira de assinar um termo de compromisso, em cartório, como não largaria a prefeitura para disputar outro cargo executivo (o governo estadual ou a presidência da República).

10- Ele disse que se for eleito prefeito de São Paulo “cumprirá “ o mandato, integramente, e que o verbo “cumprir” é muito mais forte e afirmativo do que o verbo “prometer”.

11- Afirmou também que o sonho de se abraçar com outro “projeto nacional” ficará adormecido pelo menos até 2016.

12- Ele ainda não é o candidato oficial do PSDB porque terá que enfrentar uma prévia no próximo dia 25 com mais dois aspirantes: José Aníbal e Ricardo Trípoli.

13- Por fim, declarou que tem necessidade de ser candidato para evitar que a prefeitura da maior cidade do país volte para as mãos de um petista (Fernando Haddad).

14- Ele jura que recebeu a prefeitura de Marta Suplicy (PT) em 2005 com muitas obras paradas e completamente desorganizada do ponto de vista das finanças públicas.

É isso aí.