0

Um ‘feijão-com-arroz’ que vem dando certo

Coluna da Folha de Pernambuco do sábado, 30/10/09

Embora as partes neguem, existe sim um distanciamento entre o prefeito João da Costa e o antecessor João Paulo. Nada que signifique rompimento, que não interessa a um nem a outro. Da Costa se elegeu com apoio de João Paulo mas decidiu impor-se na gestão. Livrou-se da secretária Lygia Falcão, que foi a principal manda-chuva no governo passado. E está impondo o seu próprio estilo, passando a impressão para os recifenses de que não é um prefeito tutelado.

Isso foi sendo feito aos pouquinhos para não ferir a susceptibilidade de João Paulo, que se considera credor da vitória dele. O ex tem dito em conversas reservadas que “peitou” até o presidente Lula para fazer de João da Costa o sucessor. O presidente queria Humberto Costa, com o que João Paulo não concordou. Bancou sozinho dentro do PT a candidatura do assessor de 20 anos, seu secretário do Orçamento Participativo nas duas gestões, e venceu a guerra.

Foi dito na campanha que “João” era “João”, mas a teoria na prática é diferente. João Paulo é mais político, mais carismático, mais envolvente, mais perto do povo e dono de mais jogo de cintura. E João da Costa é mais gestor, mais determinado do ponto de vista administrativo e mais racional no aspecto político propriamente dito. É um “feijão-com-arroz” que está dando certo e do qual João Paulo não pode afastar-se, em hipótese nenhuma, porque vai precisar muito dele em 2010.

À distância – Julião Guerra, ex-prefeito de Arcoverde e irmão do ex-deputado Israel Guerra, soube ontem na Europa que a mãe, Edilazir, de 79 anos, havia falecido. Ele viajou de férias com a noiva, Erivânia Camelo, também ex-prefeita e atual presidente da Adagro.

Tudo igual – Caso Serra se candidate a presidente, seu palanque em SP será igual ao de PE: PSDB, DEM, PPS e dissidência do PMDB. O conselho político da campanha seria formado pelo próprio Serra, o prefeito Kassab, Roberto Freire e Orestes Quércia.

Mesma tecla – Falando ontem de Campos do Jordão (SP) para uma emissora de rádio do interior, Sílvio Costa (PTB) declarou que estão se tornando “sem criatividade” as críticas de Jarbas Vasconcelos ao presidente Lula e ao seu governo. Tanto é verdade, disse o deputado, que o discurso do senador na última quarta-feira “foi completamente ignorado pela imprensa nacional”.

Na dúvida – A Fetape está num dilema para a eleição de 2010. Não sabe se lança dois ou apenas um candidato à Assembleia Legislativa. Lançou dois em 2006 (Bruno Ribeiro e José Patriota) e ambos perderam a eleição. Juntos, eles obtiveram 42 mil votos, o suficiente para garantir uma cadeira. Os dois candidatos de 2010 seriam Manoel dos Santos (Contag) e o próprio José Patriota (Prorural).

Esse não – Se não houver “candidato da terra”, Inocêncio Oliveira (PR) vai pedir à prefeita de Bezerros, Bete Lima (PR), para apoiar Esmeraldo Santos (PR) à reeleição. Esmeraldo deu uma grana para a campanha dela em 2008. Mas é tido por lá como “muito pesado”.

É pessoal – Toda vez que Ciro Gomes diz em público que se Aécio for candidato a presidente não há necessidade de ele também ser, dá a entender que sua briga com Serra é só pessoal. Afinal, as forças que apoiariam Aécio são as mesmas que apoiariam Serra.

Em campo – Pesquisadores da Exatta já estão em campo aferindo as intenções de voto dos eleitores de São José do Egito para a Assembleia Legislativa. Estão com seus nomes nas ruas Ângelo Ferreira (PSB), apoiado pelo prefeito Evandro Valadares, o ex-deputado José Marcos (PR) e o presidente da Câmara Delmiro Barros (PTC). Este último recebe o apoio do empresário Antonio Andrade.

De todos – Caruaru, gerida por um prefeito do PDT (José Queiroz), vai testar em 2010 o orçamento participativo, tese genuinamente petista. A cidade tem perfil conservador. Lula perdeu para Serra lá em 2002 e o PT, em 2008, elegeu apenas um vereador: o violeiro Rogério Menezes.

A sanção – Antes de viajar a Caracas, Lula sancionou dois projetos de autoria de Inocêncio Oliveira, ambos sobre os viadutos da BR-232 na entrada da cidade de Bezerros. Um passa a se chamar Lucas Cardoso (ex-prefeito) e o outro Dom Lamartine Soares (bispo auxiliar de D. Hélder Câmara).