0

Três novos pólos de aglutinação

Coluna Fogo Cruzado – 25 de junho

Além do Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual, Pernambuco conta no momento com mais três pólos de aglutinação política. O primeiro é o senador Armando Monteiro, derrotado por Paulo Câmara na disputa eleitoral de 2014. Ele comanda o PTB pernambucano e por ser o principal líder de oposição agrega outras forças políticas que gravitam em torno de sua liderança (PTdoB, PRB, PTN, etc.). O segundo pólo de aglutinação é o deputado federal Bruno Araújo, ministro das Cidades do governo Michel Temer. A pasta que ele comanda é responsável pela política de habitação e saneamento do governo federal, o que faz dele por si só potencial candidato a governador. O terceiro é o ministro Mendonça Filho, porém com menos chance do que Araújo de viabilizar uma candidatura majoritária em 2018. Em todo caso, isso mostra que o poder em Pernambuco não está concentrado num líder só.

Armando Monteiro, Bruno Araújo e Mendonça Filho exercem em Pernambuco um forte poder de aglutinação

Cuidado com as finanças

Eduardo Campos tinha extremo cuidado com o comitê financeiro de suas campanhas. Na disputa pelo governo estadual em 2006, por exemplo, ele recusou contribuições de empresários que viriam pelo “caixa dois”. Sofrera bastante no episódio dos precatórios e isso lhe serviu de lição para o resto da vida. Como morreu precocemente, jamais saberemos se ele sabia que o avião que o matou pertencia a uma quadrilha.

Foguete – Nunca, antes, na história política do Brasil, se viu tantos fatos políticos ocorrendo simultaneamente. A “Operação Turbulência” foi ofuscada dois dias depois pela “Custo Brasil”, que levou o ex-ministro Paulo Bernardo para a cadeia e só ainda está na mídia por causa da morte do empresário Paulo César Morato.

Queda – A candidatura de Izabel Urquiza (PSDB) à prefeitura de Olinda deu uma encolhida nos últimos meses e está sendo suplantada pelas de Antonio Campos (PSB), Teresa Leitão (PT) e Ricardo Costa (PMDB).

Correria – Depois que Eduardo Cunha caiu em desgraça, seus aliados na bancada federal pernambucana sumiram. Ele teve o apoio de 17 dos 25 membros da bancada e hoje não conta com mais nenhum.

Nível – O prefeito Geraldo Júlio (PSB) estaria em melhor situação política e administrativa se todos os seus secretários fossem do nível de João Braga (Serviços Públicos), espécie de “oásis” no meio do deserto.

Vácuo – O PSB já trabalha com a hipótese de o deputado Ângelo Ferreira eleger-se prefeito de Sertânia. Caso isso aconteça, a cadeira que ele ocupa na Assembleia Legislativa será disputada por um socialista do Pajeú. O candidato natural seria o prefeito José Patriota (Afogados), que não quer. O seu projeto é a Câmara Federal.

Tucano – Como vice-presidente estadual do PSDB, é natural que o prefeito Elias Gomes queira indicar um tucano para disputar sua sucessão em Jaboatão dos Guararapes, mas esbarra na carência de nomes. Com a desistência de Evandro Avelar, ou banca a ex-secretária Conceição Nascimento ou se aliará ao PSB.

São João – Apesar da crise financeira, muitos municípios pernambucanos mantiveram a tradição e conseguiram com a ajuda de patrocinadores realizar um bom São João. Foi o caso de Caruaru, Petrolina, Limoeiro, Arcoverde, Carpina, Salgueiro e Araripina. O prefeito Júlio Lossio (PMDB) deu a “carga máxima” em Petrolina por estarmos em ano eleitoral. O custo do “São João do Vale” teria sido superior ao do São João de Caruaru.

0

Projeto do PSB é eleger 50 prefeitos

Coluna Fogo Cruzado – 24 de junho

Partido do governador Paulo Câmara, o PSB está mobilizado para tentar eleger 50 prefeitos nas eleições de outubro próximo. É o exército mínimo de o governador vai necessitar para concorrer à reeleição em 2018 sem risco de insucesso. Os municípios que o partido tem na conta de estratégicos são Recife (Geraldo Júlio), Jaboatão (?), Olinda (Antonio Campos), Paulista (Júnior Matuto), São Lourenço (Gino Albanez), Cabo (Lula Cabral), Igarassu (Yves Ribeiro), Caruaru (Jorge Gomes), Vitória (Aglailson Júnior), Gravatá (João Paulo), Bezerros (Severino Otávio), Surubim (Ana Célia Farias), Limoeiro (João Luiz), Carpina (Carlinhos do Moinho), Pesqueira (Evandro Chacon), Arcoverde (Madalena Brito), Palmares (João Bezerra), Afogados da Ingazeira (José Patriota), Ouricuri (César de Preto), Timbaúba (João Rodrigues), Salgueiro (Marcelo Sá) e Araripina (?). Se vencer na maioria deles, a vitória já estará de bom tamanho.

O PSB pretende conquistar as prefeituras das grandes cidades para dar suporte à reeleição do governador Paulo Câmara

No centro da crise

Pernambuco foi arrastado para o centro da crise após a deflagração da “Operação Turbulência”, a divulgação do vídeo em que o então senador Sérgio Guerra (PSDB) se compromete a esvaziar a CPI da Petrobras (2009) e a denúncia feita ao STF pelo Ministério Público contra o deputado Eduardo da Fonte (PP). Para sorte de todos, esse filme envelheceu em 24h. A bola da vez, agora, é o ex-ministro Paulo Bernardo (PT).

Pressão – Ângelo Ferreira cedeu às pressões do PSB e será mesmo candidato à prefeitura de Sertânia. Pôs na cabeça que se o candidato não for ele, o prefeito Guga Lins (PSDB) será reeleito. Se perder, permanecerá com sua cadeira na Assembleia Legislativa. E, se ganhar, vai pegar um município ingovernável.

Cálculo – O prefeito Júlio Lossio (PMDB) está convencido de que poderá eleger o sucessor em Petrolina (o vereador Ednaldo Lima) com 35% dos votos válidos porque a oposição concorrerá com três candidatos.

Fantasma – Surgiu um ator político em Surubim com potencial para embaralhar a luta entre o prefeito Túlio Vieira (PT) e Ana Célia Farias (PSB): o deputado estadual Dr. Valdi (PP), que também será candidato.

Convite – O médico e ex-prefeito de Iguaracy, Pedro Alves (PSB), aceitou convite de Paulo Câmara para disputar novamente a prefeitura nas próximas eleições por ser o único nome capaz de unir as oposições.

Resgate – Raul Henry (PMDB) fez questão de ir a Palmares no último final de semana para assistir ao pré-lançamento da candidatura do empresário Altair Júnior (PMDB) à sucessão do prefeito João Bezerra (PSB), que passa por uma grave crise de impopularidade. O município já foi fortemente peemedebista.

Vontade – O que falta em João Paulo (PT), no Recife, sobra em Teresa Leitão (PT), em Olinda: vontade de disputar a prefeitura. João não moveu uma palha para ser candidato, mas foi empurrado para a disputa por Lula e Rui Falcão. Já Teresa só não foi candidata em 2012 porque o partido não deixou.

Rasteira – Pedro Mendes (PSB), vice-prefeito de Ipojuca e aliado histórico de Eduardo Campos, ainda não assimilou a rasteira que o partido lhe deu, impedindo-o de concorrer à reeleição para ceder a vaga ao deputado Pedro Serafim Neto (PDT). A nova “tarefa” que o PSB lhe deu foi coordenar a campanha do advogado Antonio Campos à prefeitura de Olinda. Que ele só aceitou em respeito à memória do ex-governador.

0

Empresário que estava foragido teria se suicidado ou sido vítima de enfarto

Paulo César de Barros Morato

Procurado pela “Operação Turbulência” da Polícia Federal, o empresário pernambucano Paulo César de Barros Morato foi encontrado morto na noite desta quarta-feira (22) num motel de Olinda, mas as primeiras investigações descartam a hipótese de assassinato por “queima de arquivo”.

Ele entrou sem acompanhante no Motel Tititi por volta do meio dia da última terça-feira, horas depois que a “Operação” foi deflagrada pela Polícia Federal. Como não deu sinais de vida até a manhã de ontem, a direção do estabelecimento acionou a Polícia.

A “Operação” prendeu três empresários que usavam empresas de fachada para lavagem de dinheiro, entre eles João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, que seria um dos donos do avião que se acidentou com Eduardo Campos na campanha presidencial de 2014.

Paulo César não foi encontrado em casa para ser conduzido à sede da PF e a informação dos seus advogados era de que ele estava viajando. Por isso a notícia de sua morte teve repercussão imediata no Brasil inteiro.

Como não foram encontradas marcas de violência no cadáver, a Polícia Civil suspeita que ela possa ter sido vítima de enfarto ou então se suicidado.

Para a Polícia Federal, Morato seria um dos cabeças de um esquema de lavagem de dinheiro que desviou entre 2010 e 2014 cerca de R$ 600 milhões de recursos públicos. O esquema foi descoberto a partir da investigação dos donos do avião que se acidentou com Eduardo Campos.

Morato seria o dono da empresa Câmara & Vasconcelos, que comprou a aeronave com recursos de propina que teria recebido da OAS.

0

Ministério Público pede cassação do mandato de Eduardo da Fonte

Eduardo da Fonte - reprodução facebook

Como já se esperava, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, denunciou nesta quarta-feira (22) ao Supremo Tribunal Federal o deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Janot pediu ao STF a condenação dele por corrupção passiva, a decretação da perda do mandato e a devolução de R$ 10 milhões aos cofres públicos.

Logo que tomou conhecimento da denúncia, o deputado divulgou nota dizendo que ela “será respondida, no tempo e forma devidos, perante o Supremo Tribunal Federal.

“Anota-se, todavia, desde logo, que os membros da CPI (da Petrobras) que hipoteticamente se teria desejado encerrar, ofereceram no dia 25/11/2009, com a Comissão em andamento, 18 representações a esse mesmo Mistério Público acusador, diretamente ao seu chefe, solicitando a adoção das providências necessárias à apuração das notícias de crime identificadas no decorrer dos seus trabalhos, em especial as pertinentes às obras da refinaria Abreu e Lima”, diz a nota do parlamentar.

O PSDB, por sua vez, negou-se a fazer a defesa de Sérgio Guerra. Disse que apóia as investigações e que, quem tiver culpa no cartório, que pague por ela.

0

TV Globo exibe vídeo em que Sérgio Guerra aparece negociando propina

Sergio-Guerra-foto PSDB

A TV Globo exibiu nesta quarta-feira (22) a mais contundente prova de que o então senador Sérgio Guerra (PSDB-PE) recebeu propina para ajudar a esvaziar a CPI da Petrobras instalada no Senado em 2009.

No vídeo, o então senador, que morreu em 2014 como deputado federal, defende que a CPI conclua seus trabalhos com “uma discussão genérica” sobre a matéria e confessa ter “horror” a CPIs.

Segundo a Polícia Federal, ele e deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE), denunciado ontem ao Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pediram R$ 10 milhões para que as apurações não avançassem sobre as suspeitas de superfaturamento nas obras da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco.

“Eu tenho horror a CPI. Nem a da Dinda (PC Farias) eu assinei. É uma coisa deplorável. Fazer papel de polícia, parlamentar fazendo papel de polícia”, disse o então senador na reunião que foi gravada da qual também participaram o então diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, o então diretor da Queiroz Galvão, Idelfonso Colares Filho, Erton Medeiros, representante da Galvão Engenharia e o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano.

A conversa ocorreu numa sala comercial localizada no edifício Leblon Empresarial, na zona sul do Rio de Janeiro. As imagens, registradas pelo circuito interno de segurança da sala, foram entregues ao Ministério Público pelo empresário Marcos Duarte, proprietário do imóvel.

Tal qual Sérgio Guerra prometeu, o relatório final da CPI não apontou irregularidades no contrato e as empreiteiras Queiroz Galvão e Galvão Engenharia sequer tiveram os seus nomes citados.

Em delação premiada, Paulo Roberto Costa garantiu que a propina foi paga a Sérgio Guerra pela construtora Queiroz Galvão, que integrava o consórcio investigado pela CPI.

0

Mais um ex-ministro do PT vai para a cadeia

Paulo Bernardo - Divulgação

Militante histórico do PT, o ex-ministro do Planejamento (governo Dilma), Paulo Bernardo (PR), esposo da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi preso preventivamente na manhã desta quinta-feira (23), em Brasília, no bojo da “Operação Custo Brasil” da Polícia Federal.

Ele é investigado por supostamente ter participado de um esquema de pagamento de propina no valor de cerca de R$ 100 milhões para servidores públicos e agentes políticos entre os anos de 2010 e 2015.

Em nota, a Polícia Federal informou que a finalidade do “esquema” era permitir que uma empresa de tecnologia fosse contratada para a gestão de crédito consignado na folha de pagamento de funcionários públicos.

“A referida empresa repassou mais de 70% de seu faturamento líquido para outras empresas mediante simulação de contratos de emissão de notas fiscais simuladas, com o único intuito de manter o esquema em funcionamento”, diz a nota da PF.

O advogado do ex-ministro, Rodrigo Mudrovitsch, disse que não houve justa para que ele fosse preso.

“A prisão não se justifica. O meu cliente não ocupa mais nenhuma função e sempre se colocou à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos”, afirmou.

Paulo Bernardo foi deputado federal pelo PT e ministro do Planejamento do governo Lula entre março de 2005 e janeiro de 2011. No governo Dilma ele comandou o Ministério das Comunicações.

A PF cumpriu também nesta quinta-feira 11 mandados de prisão preventiva, 40 de busca e apreensão e 14 de condução judicial nos Estados de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal.

Em Pernambuco, três mandados de busca e apreensão e dois de prisão preventiva foram cumpridos nos bairros de Ilha do Leite, Jaqueira e Boa Viagem.

Em nota, os advogados do ex-ministro, Verônica Sterman e Rodrigo Mudrovitsch, afirmam que “o Ministério do Planejamento se limitou a fazer um acordo de cooperação técnica com associações de entidades bancárias, notadamente a ABBC e SINAPP, não havendo qualquer tipo de contrato público, tampouco dispêndios por parte do órgão público federal”

“Ainda assim, acrescenta, dentro do Ministério do Planejamento a responsabilidade pelo acordo de cooperação técnica era da Secretaria de Recursos Humanos e, por não envolver gastos, a questão sequer passou pelo aval do Ministro. Não bastasse isso, o inquérito instaurado para apurar a questão há quase um ano não contou com qualquer diligência, mesmo tendo o ministro se colocado à disposição por diversas vezes tanto do juízo como do Ministério Público e da Polícia Federal”.

E conclui: “A defesa não teve acesso à decisão ainda, mas adianta que a prisão é ilegal, pois não preenche os requisitos autorizadores e assim que conhecermos os fundamentos do decreto prisional tomaremos as medidas cabíveis”.

Já o Ministério Público Federal afirma que o ex-ministro teve despesas pessoais e de campanhas pagas pelo esquema de corrupção investigado pela “Custo Brasil”.

As investigações apontam que um escritório de advocacia ligado ao ex-ministro teria recebido R$ 7 milhões do “esquema” e que 80% desse valor foi para cobrir gastos pessoais do ex-ministro.

0

PGE ministra curso sobre “Marco regulatório do terceiro setor”

Antônio César Caúla - divulgação

A Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco, chefiada pelo procurador César Caúla, vai ministrar no Recife, a partir da próxima segunda-feira (27), um curso sobre o “Novo Marco Regulatório do Terceiro Setor (Lei 13019/16).

O curso terá três dias de duração e as inscrições são gratuitas. O instrutor será a advogada Theresa Nóbrega. O horário será das 8h às 18h.

O objetivo deste curso é tirar dúvidas sobre as mudanças na legislação que rege a contratação de entidades sem fins lucrativos para a realização de projetos sociais.

A principal mudança é a necessidade de o ente público realizar licitação para suas contratações, ter um planejamento detalhado sobre a aplicação dos recursos e a obrigatoriedade do governo (em qualquer esfera) realizar auditorias de controle para garantir a correta aplicação do dinheiro público.

0

Advogado lançará livro sobre “abuso de poder” na próxima terça-feira

Felipe Ferreira Lima e Egidio - divulgação

O advogado Felipe Ferreira Lima, sobrinho neto do ex-deputado constituinte Egídio Ferreira Lima (PSDB-PE), lançará na próxima terça-feira (28), no Recife, o livro “Abuso de Poder, Igualdade e Eleição: O Direito Eleitoral em Perspectiva”.

Ele é diretor do instituto que tem o nome do ex-deputado e pré-candidato a vereador no Recife pelo PPS.

O livro será lançado casa de recepções Arcádia do Futuro (Rua do Futuro, 858 – Graças), das 18h30 às 22h. Ele aborda a necessidade de diminuição da desigualdade econômica entre candidatos em período eleitoral.

O resultou da tese de mestrado do advogado na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

O prefácio é assinado pelo constitucionalista e ex-deputado constituinte português Jorge Miranda, que foi o orientador acadêmico do autor.

“Poucas são as democracias atuais que encontraram uma forma de equilibrar o poder econômico com a garantia de igualdade entre candidatos em disputa. No Brasil a situação ainda é pior. Mesmo com a reforma política de 2015, que proibiu as doações de pessoas jurídicas, as novas regras diminuem a liberdade de propaganda e privilegiam nomes já consolidados na política, inibindo o surgimento de novas lideranças” destaca Felipe Ferreira Lima.

Além disso, ele diz que o maior desafio da Justiça Eleitoral, na atualidade, é conter a força do poder econômico.

0

Praça de Parnamirim terá um busto do Padre Henrique

dom_helder_camara

Assassinado em maio de 69 por agentes da ditadura militar, o padre Antônio Henrique Pereira Neto terá o seu busto colocado na próxima terça-feira (28) na Praça de Parnamirim, na zona norte Recife.

Na época do seu assassinato, que consternou o Brasil, o sacerdote trabalhava como auxiliar do então arcebispo (hoje falecido) Dom Hélder Câmara. A iniciativa de colocar o busto do padre naquele local foi da Prefeitura do Recife e da Comissão Estadual da Memória e da Verdade.

É que foi exatamente nesta Praça que o sacerdote foi sequestrado, no dia 26 de maio de 1969, por homens armados que ocupavam uma rural verde e branca. Logo depois o corpo dele foi encontrado num terreno baldio da Cidade Universitária com marcas de tortura e tiros na cabeça.

Participarão do evento o prefeito Geraldo Júlio (PSB), o arcebispo de Olinda e Recife Dom Fernando Saburido, Izaíras Pereira (irmã de Padre) e membros da Comissão da Verdade.

0

Sílvio Costa diz que “Operação Turbulência” liquidou o PSB-PE

Silvio Costa - Foto Lucio Bernardo Jr -Câmara dos Deputados

O deputado Sílvio Costa (PTdoB) declarou em Gravatá, nesta quinta-feira (23) que a “Operação Turbulência” da Polícia Federal “liquidou” o PSB de Pernambuco, pois seus desdobramentos irão derrotar o prefeito Geraldo Júlio (Recife) agora em 2016 e o governador Paulo Câmara em 2018.

Ele cobrou explicações do presidente regional do partido, Sileno Guedes, sobre a operação da PF dizendo que o silêncio, nesses casos, é a “pior tática” para se defender.

Na véspera, o deputado divulgou a nota a seguir sobre a Operação da Polícia Federal:

Veja a íntegra da nota:

I- O PSB é um partido ingrato. Os governos socialistas, em Pernambuco, receberam inigualável apoio dos governos Lula e Dilma. Todos os grandes investimentos que ocorreram em Pernambuco vieram graças a Lula e Dilma. Em troca, os socialistas pagaram com a ingratidão. Seguindo as orientações do governador Paulo Câmara e do prefeito Geraldo Júlio, ambos do PSB, 19 dos 25 deputados da bancada de Pernambuco votaram a favor do impeachment da Presidente Dilma na Câmara Federal.

II- Lembro que Paulo Câmara e Geraldo Júlio trabalharam pesado para que o PSB fechasse questão a favor do impeachment. Recordo-me que a maioria esmagadora dos deputados federais do PSB disseram que estavam votando contra a Presidente Dilma porque precisavam restaurar a ética no Brasil. Eles foram profundamente cruéis com uma mulher digna, que lutou pela democracia, não cometeu nenhum crime e foi eleita por 54 milhões de brasileiros.

III- Os socialistas foram tão crueis que, se o Senado eventualmente ratificar a decisão da Câmara, a Presidente Dilma ficará inelegível por oito anos.

IV- Desde ontem, terça-feira (21), acompanho a “Operação Turbulência”, um dos braços da Lava Jato que está sendo realizada em Pernambuco e esperei ansioso um esclarecimento do PSB. Mas, lamentavelmente, este partido está fugindo do debate, em um nítido desrespeito ao povo pernambucano e aos brasileiros.

V- A “Operação Turbulência”, um dos maiores escândalos de corrupção do Brasil, não pode ficar sem esclarecimentos do Partido Socialista Brasileiro.

VI- Não acho razoável que os principais atores do PSB deem como resposta a falácia de que confiam na idoneidade do ex-governador Eduardo Campos que, lamentavelmente, não está mais aqui para se defender. É preciso que a Executiva do PSB, o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio respondam duas questões básicas: Por que o governador estava andando em um avião que foi pago por uma peixaria? Por que 14 pequenas empresas de Pernambuco movimentaram R$ 600 milhões?

VII- Na campanha de 2014, durante uma coletiva de imprensa, o então candidato ao governo Armando Monteiro Neto levantou para debate o tema do avião e o PSB utilizou as redes sociais para ridicularizar a entrevista do senador. Os socialistas fizeram, inclusive, vários “memes” e veicularam nas redes sociais. Disseram até que “a montanha tinha parido um rato”.

VIII- Hoje, graças ao trabalho sério e eficiente da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, os pernambucanos e os brasileiros estão tomando conhecimento de que “a montanha pariu muitos ratos”. Como deputado federal de Pernambuco, não compreendo a explicação insuficiente que consta da nota do PSB.

IX- É preciso que Paulo Câmara e Geraldo Júlio deem explicações mais convincentes, até porque outras operações estão em curso em Pernambuco, como por exemplo a Fair-Play, que apura os custos da Arena Pernambuco, projeto do qual o prefeito Geraldo Julio foi o presidente do Comitê Gestor da Parceria Público-Privada com a Odebrecht e o atual governador Paulo Câmara era o vice-presidente.

X- Não podemos construir em nosso Estado a prática da ética da malandragem.