Arraes e Bárbara de Alencar no livro dos heróis da Pátria

Coluna Fogo Cruzado – 12 de dezembro de 2018

Jair Bolsonaro já declarou publicamente que abomina o método Paulo Freire

Dois revolucionários nordestinos terão seus nomes inscritos nesta quarta-feira no livro dos “Heróis da Pátria” que está localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília. São eles Miguel Arraes e Bárbara de Alencar. Arraes nasceu no Araripe (CE), morou no Crato, e aos 15 anos se transferiu para o Recife a fim de concluir os seus estudos. Aqui foi deputado estadual, prefeito da capital, governador e deputado federal. Como prefeito, lançou o revolucionário “Movimento de Cultura Popular” que visava à alfabetização de moradores dos morros e das periferias pelo também revolucionário método Paulo Freire, que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, já disse que abomina. Como governador, mediou o histórico “acordo do campo”, entre empresários da cana e do açúcar e trabalhadores rurais da Zona da Mata, pelo qual esses últimos passaram a ter direito à carteira de trabalho e ao pagamento do salário mínimo. Bárbara de Alencar, da mesma família do ex-governador, nasceu em Exu (PE), mas ainda jovem foi morar no Crato (CE) de onde apoiou a Revolução Pernambucana de 1817 e a Confederação do Equador de 1824, tornando-se a primeira presa política do Brasil. Cumpriu a pena num presídio de Fortaleza e em sua homenagem o cearense Ednardo compôs uma das mais belas peças do seu cancioneiro.

Nos dois turnos

O ex-governador Roberto Magalhães revelou ontem que votou em Bolsonaro nos dois turnos “achando que ele não ganhava”. Votaria em qualquer um, disse ele, para evitar que o PT voltasse ao comando da nação. Disse não saber o que seria do Brasil, hoje, sem a Operação Lava Jato, dado ter sido o PT o grande responsável “por essa desgraça que está aí”.

1º lugar – A estudante Liz Figueiredo e Bezerra, 12 anos, do Colégio Diocesano de Caruaru, conquistou o 1º lugar geral na 5ª edição da Olimpíada Brasileira de Raciocínio Lógico de 2018. Ela alcançou a medalha de ouro na categoria “Nível 2”, com a nota 32 (a máxima era 36) e obteve a melhor classificação entre 2.371 estudantes do 7º ano de todo o país.

O balanço – A deputada e vice-governadora eleita, Luciana Santos (PCdoB), fará amanhã um ato político a fim de prestar contas do seu mandato. O evento acontecerá no Espaço Jardim Aurora, no Recife, a partir das 18h. Ela permanecerá na direção nacional do partido,

A presença – Apesar dos seus 88 anos, o ex-presidente José Sarney fez questão de ir ontem ao TCU para prestigiar a posse do ministro José Múcio na presidência do TCU. Múcio pertencia ao PDS quando Sarney era presidente nacional do partido e virou vice de José Sarney.

A redução – O governador Camilo Santana (CE) enviou ontem um projeto à Assembleia Legislativa do Ceará propondo a redução do número de secretarias, que cairá de 29 para 22 (igual a Bolsonaro com o ministério). Uma das que serão extintas será a de Combate às Drogas.

Nada a ver – O general Hamilton Mourão, vice-eleito de Bolsonaro, disse que seu modelo de ação será o pernambucano Marco Maciel, que foi vice de FHC. Só que um nada tem a ver com o outro. O general foi a vida inteira militar e Maciel foi a vida toda político, tendo sido deputado estadual e federal, presidente da Câmara, governador, senador, ministro e vice-presidente da República.